Header Ads

Belas Adormecidas | Detalhes da edição nacional do livro de Stephen King e Owen King


  E o primeiro grande lançamento para o mês do horror de 2017 acaba de ser confirmado pela editora Suma de Letras: Belas Adormecidas, escrita em conjunto por Stephen King e Owen King, será lançada no Brasil em outubro, pouco menos de um mês após o lançamento oficial nos EUA. A capa seguirá o padrão americano e o mesmo deve acontecer com o número de páginas: 720!! Confira a sinopse, não oficial, da obra:

  "Em um futuro real e próximo, algo acontece quando as mulheres adormecem; elas ficam envoltas em um tipo de casulo. Se são despertadas, se a gaze envolvendo seus corpos é perturbada ou violada, as mulheres tornam-se selvagens e espetacularmente violentas; e enquanto elas dormem, vão para outro lugar… Os homens de nosso mundo são abandonados em seus dispositivos cada vez mais primitivos. Uma mulher, no entanto, é imune à bênção ou maldição da doença do sono. Evie é uma anomalia médica a ser estudada? Ou ela é um demônio que deve ser morto?”

   Lançamentos simultâneos e novas edições de obras raras, parece que finalmente Stephen King está recebendo o tratamento que merece pelo mercado editorial brasileiro. A  Darkside Books também irá lançar em breve uma nova edição de Coração Assombrado, biografia do King, escrita por Lisa Rogak. Nos resta aguardar ansiosamente e sonhar com reedições de Trocas Macabras e Depois da Meia-Noite, as duas obras mais pedidas pelos leitores constantes.

3 comentários:

  1. Olá!
    Muito feliz com a notícia, pensei que ele fosse demorar bem mais para sair, a Suma vem fazendo um excelente trabalho.
    Bjs

    EntreLinhas Fantásticas

    ResponderExcluir
  2. Maravilha!!! Isso é uma ótima notícia!!!!!

    ResponderExcluir
  3. Já estou lendo, chegando à metade do livro. A escrita é boa, mas não tem a força do que sai unicamente das mãos de King. Nota-se certa corrupção em seu estilo. Não que Owen não seja talentoso, mas tem uma linguagem própria, um neologismo que, ora casa bem com a voz do pai, ora não. Como é de costume, há trocentos personagens, mas é possível lembrar quem são os importantes. Outros, passando apenas para servir de recheio com sabor quase imperceptível, mas não insosso, não grudam na mente, e se vão da mesma forma que vieram. A trama é interessante, as discussões nas entrelinhas incomodam (feminismo, machismo, uso de drogas), a dezena de subtramas é válida, cada uma delas, e a curiosidade só faz crescer ao virar das páginas. Não diria, até o momento, que é um dos melhores trabalhos de Stephen King, mas é bastante envolvente.

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.