Livros de Terror e Suspense sobre Stalkers, Voyeurismo e Obsessões - Biblioteca do Terror

Biblioteca do Terror

O maior e mais completo site brasileiro sobre literatura de terror!

Livros de Terror e Suspense sobre Stalkers, Voyeurismo e Obsessões

Share This

Livros de terror e suspense sobre stalkers, ou perseguidores em português, acompanham a história de um personagem que é o foco da obsessão de outra pessoa, a narrativa pode ser contada tanto do ponto de vista claustrofóbico e doentio do perseguidor, da perspectiva horrorizada da vítima, ou ainda em uma narração em terceira pessoa que explora as percepções de ambas as partes.

Essa perseguição pode ser motivada por vários aspectos, desde algum tipo de atração sexual ou idolatria até vingança, e se materializa através de invasões de privacidade, ataques e agressões, sequestros ou ainda por meio de uma perseguição voyeur à distância. A lista a seguir tem como objetivo indicar livros pouco conhecidos e famosos que trazem abordagens diferentes sobre os temas. 

Um Beijo Antes de Morrer de Ira Levin (1953)

Um Beijo Antes de Morrer de Ira Levin, também publicado no Brasil como O Beijo da Morte, recebeu em 1954 o Edgar Award de melhor primeiro romance além de profusos elogios de Stephen King em Dança Macabra. A obra explora um stalker com motivações diferentes da comum atração sexual, Bud Corliss busca uma vida de riquezas e para alcançar seu objetivo não exitará em destruir uma rica família americana. Ira Levin se utiliza às avessas do estereótipo da viúva negra e cria um perseguidor que surpreende o leitor, um dos pontos altos do romance é a desconstrução de sua sanidade ao longo da história. A cada morte que acontece suas estratégias de perseguição se refinam e mudam. Um suspense recheado de drama que permanece imersivo mesmo depois de tanto tempo de sua publicação original. 

O Colecionador de John Fowles (1963)

O Colecionador é uma obra seminal dentro desse subgênero, Frederick Clegg e sua perseguição e obsessão por Miranda inspiram obras e autores até os dias atuais. O romance é dividido em duas partes: na primeira somos forçados a adentrar à perspectiva psicótica de Clegg, experimentar sua relação doentia com as outras pessoas e sua obsessão por Miranda Gray, a quem sequestra na esperança de que se apaixone por ele assim que conhecê-lo melhor; e na segunda temos a visão claustrofóbica e desesperada de Miranda, imersa em um inferno físico e psicológico, cuja vida está nas mãos de um monstro que apenas ela conhece.

A partir dessa premissa Fowles tece uma história que analisa as motivações humanas, sempre contextualizando a influência da sociedade que nos cerca na nossa formação. Clegg tem uma relação distante com seus familiares e colegas, sua condição de trabalho subalterno associada as suas percepções sobre seu intelecto e condições financeiras são a força motriz do sequestro de Miranda. Clegg é stalker clássico, persegue sua vitima pelas ruas da cidade, descobrindo aos poucos seus gostos e lugares que frequenta, para então montar a armadilha perfeita. É um livro cruel e brutal.

A Dádiva de Deus de Bernard Taylor (1976)

A Dádiva de Deus mistura vários elementos, aliando o sobrenatural ao subgênero das crianças assassinas, para criar uma história  impactante sobre a obsessão por atenção. Um evento estranho acaba culminando na adoção de um bebê de aparência angelical, que recebe o nome de Bonnie, por um casal com três filhos. Conforme Bonnie fica mais velha sua necessidade de amor fica maior e aqueles que se interpõe entre ela e seus pais acabam sofrendo mortes cruéis, isso é válido até mesmo para seus irmãos. Bernard Taylor não chega a ser explícito em suas cenas de violência, mas a forma com que conduz o suspense a partir da segunda metade faz do livro uma leitura imersiva e ágil, com um final perturbadoramente maléfico.

A Janela Aberta de Felice Picano (1976)

A Janela Aberta é um romance da década de setenta que descontrói as barreiras entre vítima e perseguidor, com uma escrita inteligente e sagaz Felice Picano conduz o leitor por um jogo de sombras e ilusões em busca da identidade do stalker. Um dos elementos que tornam a história interessante é a inversão de papéis, com uma mulher no papel de voyeur e perseguidora. Joan passa seus dias espionando o vizinho do prédio ao lado em sua intimidade diária, quando percebe que ele pode ser o homem dos seus sonhos faz o primeiro movimento. 

A vida de Stu Waehner muda quando começa a receber estranhos telefonemas de uma voz feminina sensual, que conhece vários aspectos de sua vida pessoal. Ele passa a ser dependente daquela voz, de seus telefonemas diários e logo os dois desenvolvem um estranho ritual de comunicação. É então que tudo dá errado. A trama é ágil e suas várias reviravoltas sobreviveram com elegância à passagem do tempo, suscitando durante a leitura uma miríade de emoções enquanto discute a origem das compulsões. A obsessão de Joan desperta a obsessão de Stu e o final é devastador.

Os Mortos Também Matam de C. Terry Cline Jr. (1977)

Os Mortos Também Matam explora a obsessão e a perseguição com  a adição de elementos sobrenaturais à trama. A protagonista é uma jovem que desde o berço mostrou ser dotada de uma inteligência excepcional, filha de um rico imigrante alemão começa a desenvolver uma espécie de obsessão por tudo relacionado a Segunda Guerra Mundial. Sua mãe desconfia que há algo sombrio por trás desse comportamento, aos poucos percebe detalhes estranhos em sua filha e que talvez ela não seja tão inocente quanto o seu sorriso infantil insinua. 

Apesar de ser interessante nos dias atuais, a história não envelheceu tão bem e o leitor consegue adivinhar a "identidade" do stalker com anos de antecedência aos demais personagens, o que faz com que algumas ramificações e discussões se tornem monótonas e desnecessárias. A inventividade de C. Terry Cline Jr., autor do ótimo Demon, garante o lugar da obra nesta lista, ao criar uma fantasmagórica história de vingança e perseguição, provando que o mortos também matam. 

Misery: Louca Obsessão de Stephen King (1987)

Inspirado no clássico de John Fowles, Stephen King apresenta em Misery uma de suas criações mais assustadoras: a ex-enfermeira Annie Wilkes que nutre um sádico e desequilibrado amor obsessivo pelo seu escritor favorito. Após um acidente de carro Paul Sheldon acorda na casa de uma mulher que se diz sua fã número um, graças a ela não morreu congelado em meio as ferragens de seu carro, mas por trás de todos aqueles sorrisos e dedicação à sua melhora, jaz um lado obscuro que fará de tudo para não deixá-lo ir embora sem antes atender a seus desejos.  

Madison, 1300 de Ira Levin (1991)

Madison, 1300 retoma dois elementos presentes em obras famosas de Ira Levin, a perseguição obsessiva de Um Beijo Antes de Morrer e o ambiente claustrofóbico de um prédio habitacional de O Bebe de Rosemary, para criar uma trama que envolve invasão de privacidade e voyeurismo. Em uma versão moderna do castelo dos horrores de H. H. Holmes do final do séc. XIX, um ambicioso empresário constrói edifício para dar vazão a suas perversões, colocando câmeras escondidas em todos os apartamentos, de onde observa a intimidade de seus inquilinos através de uma sala secreta.

O livro consta nesta lista apenas pela curiosidade de sua existência, já que o resultado final de sua narrativa é péssimo. A trama basicamente envolve a chegada de uma nova inquilina, seu envolvimento amoroso com o dono do local e a consequente descoberta do antro de perversão. É a partir daí que a história deveria começar a se desenvolver, mas não é o que acontece, simplesmente não há suspense na situação! Os personagens não são convincentes e suas ações menos ainda. Quando o leitor finalmente atravessa a pesada areia movediça que é a narrativa, o final não chega a receber nenhuma resposta emocional.

Você de Caroline Kepnes (2014)

Você é um livro brutal que disseca a facilidade com que os stalkers empreendem sua perseguição na era das redes sociais. Construído a partir de uma narrativa claustrofóbica em primeira pessoa, que possui eco do tom onírico das passagens de violência de O Psicopata Americano de Bret Easton Ellis, explora a obsessão de Joe Goldberg, um vendedor de livros acima que qualquer suspeita, pela aspirante a escritora Guinevere Beck. 

O stalker dos dias de hoje não precisa sair de casa para perseguir uma possível vítima e aprender sobre suas rotinas, as pessoas voluntariamente colocam suas próprias vidas nas redes sociais, e Caroline Kepnes explora com perfeição os perigos advindos dessa superexposição. É um livro ágil e cheio de referências à cultura pop, mas a inspiração em John Fowles é tão óbvia que o final não chega a ser tão surpreendente, sua trama dialoga diretamente com os medos que corroem a sociedade atual.

Um comentário:

  1. Adoro essas listas, vários desses livros estão na minha lista pessoal de leitura.

    ResponderExcluir

Pages