ÚLTIMAS NOTÍCIAS

8 de agosto de 2015

Resenha: King Edgar Hotel de Alfer Medeiros e Lara Luft

Sinopse:
   Você se hospedaria em um antigo hotel onde a camareira não tem braços, o mensageiro não tem olhos e o recepcionista aparenta ter idades distintas dependendo da hora do dia? Você ousaria pernoitar em um lugar cujo regulamento interno é estranhamente diferente de tudo o que você já viu? Muitos mistérios rondam o King Edgar Hotel. Fique à vontade para visitar os 21 andares deste lugar, que é a expiação dos pecados para uns, o inferno para outros e uma lembrança macabra para todos os que por ele passaram.

Opinião:
   Sejam bem-vindos ao King Edgar Hotel, serei seu guia nesta tenebrosa noite de chuva por entre esses corredores soturnos, antes de tudo devo lembrar-lhes a não encostar-se às portas, elas sussurram pedidos de socorro que violam sua mente abrindo caminho até seu pior pesadelo,  o mesmo é válido para as paredes que vertem sangue inocente e virginal numa tentativa profana de trazer insanidade à sua alma. Mas são apenas detalhes, não se distraia por ocasionais barulhos e gritos que ouvir, apesar de parecerem próximos são oriundos das profundezas do inferno, ou mesmo pela claustrofóbica impressão de estar cercado por sombras. Elas farejam medo e se demonstrar uma gota que seja cairão como abutres em sua carcaça. É imprescindível que façam silêncio, os hóspedes mais antigos odeiam serem incomodados e nessas situações podem se mostrar arredios e mal humorados. Dito isso espero que vossas estadias em nossas dependências sejam agradáveis, há um ditado que diz que em cada quarto de hotel que passamos a noite deixamos um pouco da nossa essência e personalidade, sendo assim espero ter um pedacinho de cada um de vocês para sempre aqui. 
  A história do King Edgar Hotel é bastante conturbada, não há como saber em qual ponto a realidade se mistura ao fantástico e se transforma em lenda urbana, mas uma coisa pode-se afirmar com precisão, sua macabra estrutura infecta o centro de São Paulo como uma chaga pútrida infernal. Você poderia caminhar na calçada defronte a ele não notá-lo. É preciso um estado de espírito especial para que haja uma conexão entre sua alma e aquele lugar maldito, quanto mais soturnas suas emoções mais atração sentirá pelo King Edgar. Dizem as más línguas que o terreno é amaldiçoado, que havia ali anos atrás um colégio católico, fechado após uma  terrível tragédia ceifar dezenas de almas inocentes, que passou anos abandonado em sua decadência assombrada que criou uma espécie de vida própria amaldiçoada. Também é dito que foram essas lendas a fonte da atração dos fundadores do hotel por esse lugar em especial, segundo rumores eram adoradores do oculto  e do inominável. A verdade é que a maioria das pessoas que entram por aquelas portas jamais saem novamente.
   As regras de hospedagem são muito simples, sem horários, sem nomes, sem enrolação. Você paga apenas  sua primeira diária, no momento da chegada e fica pelo tempo que quiser ou o tempo que conseguir aguentar. Um dos rituais mais importantes do King Edgar Hotel é a escolha das chaves do quarto, em um grande quadro na recepção estão pendurados todos os números disponíveis, cada uma delas é única e reflete a decoração personalizada do ambiente a que pertence. Após a escolha não é permitida a troca de acomodações. Os quartos possuem isolamento acústico e qualquer dano aos patrimônios do hotel não serão contabilizados em sua conta. A recomendação é que a escolha seja feita com muita parcimônia. 
   Alfer Medeiros e Lara Luft executaram um grandioso e ambicioso projeto ao dar vida a King Edgar Hotel, mais que uma coletânea de contos de horror é um romance fix-up, onde cada quarto possui sua história particular, mas todos juntos formam a mitologia horripilante do King Edgar, o retalho maldito de almas perdidas que compõe sua estrutura. Com várias referências a mestres do macabro como Peter Straub, Dean Koontz, Bela Lugosi e Boris Karloff criaram um grupo de funcionários arrepiantes que combinam perfeitamente com o ambiente familiar e de aconchego do local. Depois foi questão de convidar gentilmente 68 escritores, embora alguns aleguem terem sido arrastados, a passar uma inesquecível e maravilhosa noite no quarto de seu gosto e registrar suas sensações durante a estadia. Da experiência surgiram estórias chocantes e macabras que irão arrepiar a espinha de qualquer leitor. Um aviso ao incautos que abrirem suas páginas pela primeira vez, estejam preparados para sujar os dedos com o sangue que verte das páginas e ter seus ouvidos profanados por gritos de desespero. Também não se admire se alguns dos personagens decidirem lhe fazer uma visita em seus sonhos, alguns estão apenas esperando uma brecha na sua coragem para penetrarem e instalarem moradia nos recônditos mais sombrios de sua mente. Leia a noite e com cuidado. Não tenha medo de abrir cada porta que aparecer à sua frente, mas desconfie daquelas que estiverem destrancadas. 

Nota: ☠☠☠☠☠☠☠☠☠☠ (10/10 Caveiras)

5 comentários :

  1. Fiquei muito interessado ! Difícil ter coragem de entrar neste hotel macabro hein !

    bomlivro1811.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Rafaaaaaaaaaa onde vc achou esse pra comprar? Fiquei interessada :D

    Bjim

    ResponderExcluir
  3. Oi Kauzinha,

    Eu fui um dos autores convidados pra escrever o livro e ainda tenho exemplares à venda. Entra em contato comigo através da minha página facebook . com/thiagolee

    Abraço :)

    ResponderExcluir