ÚLTIMAS NOTÍCIAS

6 de novembro de 2012

Resenha: O País de Outubro - Ray Bradbury



Sinopse:
   Ray Bradbury reúne dezenove histórias escolhidas (e em parte reescritas) dentre as que já haviam publicado anteriormente - algumas delas já consagradas como verdadeiras obras-primas do gênero, reproduzidas em revistas e antologias dentro e fora dos Estados Unidos.
    Contos como 'O Anão', 'O Pequeno Assassino', 'O Lago', 'O Vento' são páginas inesquecíveis e pertencem ao que de melhor se escreveu na ficção moderna. Ray Bradbury, sem nunca se repetir ou copiar a si mesmo, sabe mesclar o horror e o fantástico, o mistério e o imprevisto, a ternura e o sonho, a morte e a vida, dentro de uma linguagem profundamente poética, que capta com delicadeza e maestria o frêmito humano.


Opinião:
    O País de Outubro é uma deliciosa coletânea de contos sombrios de terror que se revezam entre o estranho e o macabro, totalizando dezenove histórias assustadoras. Ray Bradbury é um mestre na arte de contar e criar situações que perturbam pela sua normalidade, um acontecimento normal como uma multidão unida para observar um acidente se torna algo extremamente inquietante. O autor com seu estilo quase poético mantém a tensão constante a cada linha e é difícil imaginar o que vem a seguir nas próximas páginas, pois surpresa é a palavra chave do livro.
   Os contos são parecidos e totalmente diferentes ao mesmo tempo, alguns são rápidos e diretos deixando após a leitura uma sensação de soco no estômago; outros possuem um ritmo narrativo bastante sombrio cuja tensão parece fluir das páginas diretamente ao leitor; porém a sensação que predomina é que aquilo escrito no papel realmente pode vir a acontecer, Bradbury dá um novo sentido às coisas que são vistas como normais e por consequência já não são mais nem notadas. Desse quando os personagens percebem o que está acontecendo talvez já seja tarde demais...

1.      O anão
   
"Sou anão, e assassino. As duas coisas são inseparáveis. Uma é a causa da outra."
  
   Um anão frequenta diariamente um parque de diversões e todas às vezes vai a apenas uma atração. O labirinto de espelhos. O bilheteiro curioso e gozador o observa todas às vezes e acha graça na sua insistência em relação aos espelhos. Um dia resolve pregar uma peça no anão e o resultado é mortal...

2.      O próximo da fila

"Esse andava, aquele cantava, e esse tinha três mulheres; e esse morreu disso, o outro morreu daquilo, o terceiro, de outra coisa, o quarto levou um tiro, o quinto foi esfaqueado, apaixonado, o nono caiu do cavalo, o decimo cuspiu sangue, o décimo primeiro o coração parou, o decimo-segundo ria muito, o decimo-terceiro era dançarino, o decimo quarto era o mais bonito de todos, o décimo quinto tinha onze filhos, e o decimo sexto é um dos filhos, e também o decimo sétimo..."
   
   Um casal em busca de aventuras se hospeda em um hotel de uma cidadezinha mexicana que tem um ponto turístico extremamente curioso, um cemitério que possui uma norma assustadora com quem não mantém as prestações dos túmulos...

3.      A ficha de pôquer sempre atenta a de H. Matisse

"Meu Deus! Encontrei o maior chato do mundo! Vocês tem que conhece-lo!"

   Garvey um homem totalmente sem graça se torna a nova mania da cidade justamente por ser o maior chato existente!

4.      O esqueleto

"Meu Deus Todo Poderoso - pensou- por que nunca percebi isso antes? Durante todos esses anos tenho andado por aí com um... um ESQUELETO dentro de mim?
Essa coisa cheia de juntas, brancas, rijas, essa coisa asquerosa, seca, quebradiça... Um crânio envolve meu cérebro e propicia uma saída, através de janelas tão frágeis, para que ele vá ver o mundo exterior."

  O Sr. Harris se convence de que seu esqueleto tem personalidade própria e quer matá-lo para tomar conta do seu corpo. Não encontra nenhum ajuda dos médicos que lhe dizem que tudo não passa de hipocondrismo. Porém quando consegue alguém que lhe ouça, talvez fosse preferível não ter encontrado...

5.      A jarra

"Era uma dessas coisas que se costumam guardar em jarras, numa tenda de um parque de diversões. Uma dessas coisas, em plasma alcóolico, flutuantes, eternas sonhadoras, de olhos abertos, mortiços, que o encaram, mas não veem."
  
   Charlie compra uma jarra com algo estranho flutuando no seu interior e logo vira a sensação da pequena cidade, os moradores se reúnem em sua casa para discutir o que seria aquela coisa. Porém sua esposa nota algo estranho naquilo...

6.      O lago

"A água é como um magico. Nos serra ao meio. é como se fossemos cortados em dois, e uma parte, inferior, açúcar, derrete, dissolve."

   Harold teve uma experiência traumática com um lago perto de sua casa. Anos depois quando o visita descobre que o horror ainda não acabou...

7.      O emissário

"-Mamãe o que as pessoas fazem no cemitério embaixo da terra?
-Ficam Deitadas
-Deitadas? Isso não parece divertido..."
   
   Um menino doente que não pode sair pra fora de sua casa tem apenas duas conexões com o mundo, seu cachorro e uma mulher que vive no bairro. No entanto, a vizinha morre e o cachorro, inexplicavelmente, foge.

8.      Possuída pelo fogo

"É exatamente aos 33°C, muito mais que qualquer temperatura que os assassinatos são cometidos."
  
   Dois velhos escolhem por missão ajudar pessoas infelizes. Eles vão tentar fazer isso com uma mulher cuja história termina de maneira sangrenta

9.      O pequeno assassino

"Quando ocorreu a ideia de que estava sendo assassinada, ela não soube precisar. Foram alguns sinais sutis, minúsculos..."
  
   Uma mulher se convence de que seu bebê recém-nascido quer matá-la. O  marido não acredita até que...

10.    A multidão

"Puxa, pensou, a multidão anda depressa, é como a íris de um olho que se comprime a partir do nada."
  
   Um homem descobre que há algo de estranho com as multidões que se formam em torno de acidentes. Simplesmente as mesmas pessoas aparecem como observadoras de acidentes diferentes...

11.   A caixinha de surpresa
  
   Um menino vive com sua mãe em uma enorme mansão isolada. Ela convence o garoto de que ele é Deus, dizendo-lhe que seu pai, o Deus original, foi morto por animais no lado de fora da mansão.

12.   A segadeira

"Aquele trigal nasce de qualquer jeito, desencontrado, é uma coisa doida. Eu não quis te contar. Mas... não é correto."

   Um homem entra em campo de trigo com uma foice. Ele descobre que a tarefa de colher é mais do que aparenta.

13.   Tio Einar

   Um membro da fantasmagórica família Elliott, o Tio Einar, tenta encontrar um caminho para o céu depois de danificar suas asas.

14.   O vento

   Um escritor passa a ter um medo mortal do vento, alegando que todos os ventos do mundo estão se reunindo para matá-lo.

15.   O homem do segundo andar

   Um jovem suspeita que o homem que aluga o quarto de cima de sua casa pode ser mais do que um homem.

16.   Havia uma velha senhora

   Havia uma velha mulher que desafiou a Morte há anos. A Morte enganou a velha um dia, roubando o corpo dela, mas a velha não ia deixar isso detê-la em ganhar o desafio.

17.   A cisterna
   Uma mulher descreve a irmã que a terra debaixo da cisterna é mágica e lá os amantes se reencontram na morte.

18.   Festa de família

   Outro conto com a família fantasmagórica Elliott. Nesse conto, a família volta para uma reunião no antigo lar ancestral em Illinois. A casa é atualmente habitada por uma família mortal, cujo menino Timothy, que deixou a porta de seu quarto aberta, acredita estar sonhando com eles.

19.   A morte maravilhosa de Dudley Stone

   Fãs rastreiam o paradeiro de um escritor que deixou de escrever e se isolou, começando então a escrever uma nova história sobre ele.

Minha nota: ☠☠☠☠☠☠☠☠☠☠ (10/10 Caveiras) 

2 comentários :

  1. Cara, que foda! Que foda seu blog!! Adorei por demais, sério. Nunca fui de gostar de ler sabe? Mas to louca ultimamente pra ler o diário de john winchester (supernatural) parece ótimo.
    E enfim, gostei bastante da resenha. ótima mesmo.
    Seguindo seu blog, se puder dar uma visitinha no meu =)

    shelikesrockn-roll.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Olá!

    Não conhecia este livro, mas a review me deixou supercurioso. Vou procurá-lo.

    Obrigado e grande abraço.

    ResponderExcluir