Últimas Notícias

6/recent/ticker-posts

Resenha | Um Cântico para Leibowitz de Walter M. Miller Jr.


Os papéis que narram o Dilúvio de Fogo são escassos, durante a Era Antiga a humanidade de alguma maneira alcançou o máximo de evolução com uma excelência particular em criar armas de morte e destruição em massa. Segundo os relatos dos monges de São Leibowitz, Lúcifer subiu a Terra com o conhecimento que causaria o fim dos homens, através de sussurros de cobiça por poder distribuiu entre os principais príncipes da época o conhecimento da bomba nuclear, cada grande nação possuía poder suficiente para destruir dez vezes até a cinzas. 

E isso era o suficiente para manter cada um seu lugar com medo de uma destruição mútua que acabaria com a ordem vigente, porém Lúcifer não iria desistir tão facilmente e através da sedução prometia poder aquele que lançasse o primeiro ataque, com potência suficiente para destruir toda a nação inimiga de modo que a retaliação não ocorreria. Quando a primeira bomba caiu o inferno se abriu, fogo e cinzas pintaram os céus de escuro enquanto o sangue escorria pela terra, em um volume tão grandioso que sufocavam os gritos dos sobreviventes, mutilados e amaldiçoados pela radiação.

Quando a poeira começou a baixar, o sol iluminava apenas cadáveres em um mundo estéril de flora e fauna. As vítimas da guerra que sobreviveram a explosão se reerguiam famintos e desesperados, a dor passou a ser um componente banal do dia a dia e aos poucos nublava a razão deixando-os raivosos e sedentos por vingança por aqueles que mataram suas famílias. Quando os abençoados começaram a se reerguer de seus "bunkers", filhos dos destruidores de lares com o saber profano que poderia trazer mais dor aos sofridos sobreviventes, passaram a ser caçados e assassinados cruelmente. 

A maior parte do conhecimento acumulado por gerações se perdeu durante o massacre que envolveu a queima sistemática de todos os livros que continham saberes malditos. Uma nova Era das Trevas se instalou. Se não fosse a iniciativa de uma pequena ordem em preservar papéis avulsos e livros da destruição, tudo haveria de ter-se perdido, mas seguindo os ensinamentos de São Leibowitz eles guardariam os ensinamentos antigos, mesmo que o entendimento do mesmo havia se perdido, esperando uma nova Era de Iluminação.

É desta maneira que começa Um Cântico para Leibowitz, uma das mais fantásticas obras de ficção pós-apocalíptica escrita por Walter M. Miller Jr. Um produto da paranoia que envolvia a tensão da Guerra Fria entre EUA e URSS, que produziu grandes obras de ficção-cientifica. O livro é dividido em três partes, Fiat Homo, Fiat Lux e Fiat Voluntas Tua. 

Na primeira parte, Fiat Homo: Faça-se o Homem, o ser humano é o protagonista que se perde em sua existência selvagem, os monges da Ordem de Leibowitz são o último reduto do conhecimento, apenas seus servos são alfabetizados e a figura da Igreja ressurge como uma das potencias mais fortes entre os bárbaros. Fiat Lux: Faça-se a Luz narra a luta de homens para preservar esse conhecimento, anos devotados a simples cópia de um livro preservando ás paginas da ação do tempo. 

É então que a mente humana começa a se desenvolver novamente, a alfabetização é estendida aos moradores das vilas dos Mosteiros e a curiosidade leva homens e dedicar sua existência em busca de desvendar os mistérios dos antigos documentos antediluvianos, é o começo do novo iluminismo. Em Fiat Voluntas Tua: Faça-se a Sua Vontade, uma nova sociedade muito mais evoluída que a anterior redescobre os caminhos da corrida armamentista, será que a humanidade repetirá os mesmos erros novamente? Ainda há esperança para o homem? 

   
  Um Cântico para Leibowitz (2014) | Ficha Técnica 
   Título original: A Canticle for Leibowitz (1959)
   Autor: Walter M. Miller Jr.
   Tradutora: Maria Sílvia Mourão Netto
   Editora: Aleph
   Páginas: 400 páginas
   CompreAmazon
   Nota:☠☠☠☠☠☠☠(10/10 Caveiras)

Postar um comentário

3 Comentários

  1. Parece ser ótimo! Mais um pra minha lista.

    ResponderExcluir
  2. É interessante, vou procurar saber mais sobre o livro, os últimos livros que li da década de 60 não me agradaram muito... Mas veremos...

    http://www.conversandocomdragoes.com/

    ResponderExcluir