ÚLTIMAS NOTÍCIAS

16 de novembro de 2016

Resenha: A Colônia de Ezekiel Boone


Sinopse:
   Nas profundezas de uma floresta no Peru, uma massa negra devora um turista americano. Em Mineápolis, nos Estados Unidos, um agente do FBI descobre algo terrível ao investigar a queda de um avião. Na Índia, estranhos padrões sísmicos assustam pesquisadores em um laboratório. Na China, o governo deixa uma bomba nuclear cair “acidentalmente” no próprio território. Enquanto todo tipo de incidente bizarro assola o planeta, um pacote misterioso chega em um laboratório em Washington... E algo está tentando escapar dele. O mundo está à beira de um desastre apocalíptico. Uma espécie ancestral, há muito adormecida, finalmente despertou. E a humanidade pode estar com os dias contados.

Opinião:
  Hoje em dia, em nossa sociedade, o tempo é um artigo de luxo. As pessoas não dispõem mais de horas livres para sentar e assistir a um filme ou ler um livro com calma, cada segundo é cronometrado e o tempo para diversão é extremamente apertado, a escolha de ler um capítulo a mais ou ver outro episódio daquela série favorita à noite se reflete, no dia seguinte, em forma de atraso ou cansaço. A verdade é que para os leitores de hoje a agilidade é algo essencial, e para suprir essa necessidade acompanhamos o nascimento dos chamados "livros comerciais" ou "livros fast-food", obras com tramas rápidas e de digestão fácil. Livros que podem ser devorados em questão de horas e não exigem muita atenção durante a leitura, o tipo que você vê nas mãos de pessoas em filas de bancos, ônibus, metrô... Histórias que são tão fascinantes e imersivas quanto um filme, mas que assim como o mesmo começam a ficar borradas logo após os créditos finais, ou no caso as últimas páginas. Depois de uma semana você não consegue mais lembrar o nome dos protagonistas, após duas semanas algumas cenas ainda permanecem em sua memória e em um mês... A Colônia de Ezekiel Boone é um desses livros.
    O que não significa que seja uma obra ruim. Na verdade Ezekiel Boone conseguiu fazer algo incrível em seu primeiro livro, pegar um tema clichê dos livros e filmes de terror dos anos setenta, animais assassinos, e reinventá-lo para os dias atuais transformando-o em um pesadelo moderno, o "assustador aracnoapocalipse." Aranhas assassinas que devoram carne humana e ainda utilizam seu corpo como uma incubadora viva? Como uma premissa dessas pode não ser assustadora? Eu lhe digo como: a ambientação. A Colônia peca por possuir um enredo fraco e batido, a clássica história de ação que vem sendo reescrita por hollywood nas últimas décadas. O governo americano, com seus agentes e especialistas, correndo contra o tempo para deter uma ameça de escala global, que tanto pode ser terrorista, russa, zumbi, alienígena, no caso, insira como ameça "aranhas assassinas." O típico livro que já foi escrito pensando na adaptação cinematográfica, está tudo lá, até as cenas em 3D!
   A narrativa de Ezekiel Boone é viciante, consegue te seduzir logo nas primeiras páginas, é aquela estória em que você sabe o que acontecerá no final (são aranhas assassinas, cara) mas mesmo assim a  construção da tensão consegue te deixar preso até a conclusão. Mas aí jaz o grande problema do livro, as páginas voam tão rápido, você devora o livro com tanta voracidade, que ao chegar no final você não acredita no que lê. Primeiro você pensa que páginas estão faltando, não é possível que um autor construa uma trama com tanto cuidado para simplesmente cortar seu ápice! O livro acaba em seu melhor momento!  Então você descobre que na verdade o livro faz parte de uma trilogia.  Agora imagine se Tolkien tivesse publicado O Hobbit nos dias de hoje, não como um livro solo, mas seguindo a mesma fórmula de Peter Jackson nos cinemas, estendendo a narrativa apenas para conseguir fazer da história uma trilogia. Você acompanha Bilbo e os anões na busca pela montanha de Smaug e quando eles chegam lá, o livro simplesmente acaba. É essa a sensação que A Colônia passa. Como eu disse, não é livro ruim, tem todos os elementos que satisfazem o apetite dos fãs de terror, mas a conclusão falha ao entregar um produto de qualidade. Um único livro teria sido melhor.

Nota: ☠☠☠☠☠☠☠☠☠☠ (8/10 Caveiras)

5 comentários :

  1. Fernando, foi publicado este ano nos Estados Unidos, a Suma de Letras traduziu praticamente simultaneamente lançando o livro em agosto, ou seja, a continuação só será publicada ano que vem e ainda há a questão da editora brasileira continuar publicando a trilogia por aqui.

    ResponderExcluir
  2. Bah, cara, baixei este livro, mas depois dessa vou deletá-lo e procurar por outra coisa. tu já leste alguma obra de Gillian Flyn? Estou lendo "Garota Exemplar" e achando fodaço.

    ResponderExcluir
  3. Eita, que desanimei da leitura... trilogia, jura? Nada contra livros em séries, mas como você bem disse, tem livros que obviamente ficariam melhores em volumes únicos...

    ResponderExcluir
  4. Eu achei um excesso de personagens, e tem uns que pelo menos nesse primeiro volume, não acrescentam nada para a história.

    ResponderExcluir