ÚLTIMAS NOTÍCIAS

28 de dezembro de 2015

[Terrospectiva] Os Melhores Livros de Terror de 2015

      Este foi um ótimo ano para os leitores de terror no Brasil, não apenas por causa das belas edições da Editora Darkside, que além da republicação de clássicos apostou em novidades, ou também pela publicação de quatro livros inéditos de Stephen King, mas sim por finalmente um livro de terror, que não traga o nome do mestre atrelado à capa, conseguiu entrar para a lista dos livros mais vendidos do Brasil, O Demonologista. Entre as opiniões divergentes daqueles que gostaram e odiaram a estória, o que fica é  uma grande certeza, a capacidade de vendas dos livros de terror no mercado literário. Os leitores apreciam uma boa estória de terror e a sensação de medo que a permeia, isso se refletiu no sucesso de várias obras de ficção e não ficção que conquistaram o público. As editoras aprenderam que a chave para o coração dos fãs está na simples tradução de um livro há muito desejado, mas a conquista completa está em nas edições especiais e seus "extras", exemplos são as republicações de Eu Sou a Lenda de Richard Matheson e Alien, a novelização de Alan Dean Foster, que receberam um tratamento especial da editora Aleph. 
     Inegavelmente os maiores sucessos de venda este ano foram Caixa de Pássaros de Josh Malerman e O Demonologista de Andrew Pyper, livros que romperam a barreira que exclui a literatura de terror do grande público e ganharam imenso destaque, seja através da voz dos fãs que amaram as estórias ou no grito raivoso daqueles que as odiaram, todas as opiniões serviram para aguçar ainda mais o interesse sobre esses livros. Mas como dois autores, que no início do ano eram totalmente desconhecidos pelos brasileiros, conseguiram tamanho feito?  Marketing! A grande chave para o sucesso ou o câncer  causador do esquecimento de bons livros, tudo isso dependendo do fator divulgação. Dean Koontz é um autor americano que praticamente há anos não sai da lista de mais vendidos do New York Times, tudo devido a estratégia de marketing que envolve seus lançamentos, mas no Brasil suas publicações são escassas e mal divulgadas e o fato é que muitos leitores atuais nunca ouviram falar de seu nome. O problema muitas vezes se resume em um canal de comunicação direto com os fãs, o que não ocorre com outros gêneros de abrangência maior, os leitores às vezes não ficam nem sabendo que determinada obra será lançada, a não ser no momento em que a encontra perdida entre os lançamentos populares na estante de uma livraria. Um exemplo recente é nova edição de A Nona Configuração de William Peter Blatty, mesmo autor de O Exorcista, muitos talvez só saberão disto através deste comentário. A Editora Intrínseca fez um trabalho maravilhoso com a divulgação de Caixa de Pássaros, inúmeros banners em sites evocando o mistério da estória e instigando a leitura, que culminou com a visita do próprio autor à Bienal do Rio de Janeiro este ano,  a própria Darkside, o coração negro do gênero no Brasil fez um trabalho impecável com O Demonologista, Tubarão e a grande edição de Hellraiser. Porém fora isso há muitos lançamentos que passaram completamente despercebidos pelos fãs, como a novelização a continuação de A Mulher de Preto e Florestranha de Christopher Golden. 
   Sem nenhuma dúvida este ano foi importante porque mostrou para as editoras que há sim um grande mercado nacional ávido por lançamentos de livros de terror, não apenas estrangeiros, mas também nacionais. Praticamente a maioria dos  livros nacionais que se encontram nesta lista só foram lançados por que seus autores são perseverantes e dedicados ao gênero, muitos chegando ao extremo de uma publicação independente conseguida a custo de seu próprio sangue. O que fica é  a expectativa para ano que vem as publicações aumentem em quantidade e qualidade, A Darkside já confirmou que haverão lançamentos de autores nacionais, além de uma nova edição de Coração Satânico de William Hjorstberg e o lançamento de Hex de Thomas Olde Heuvelt. Sem falar dos lançamentos internacionais esperados pelos leitores, como The Fireman de Joe Hill, a conclusão da Trilogia A Passagem de Justin Cronin, The City Of Mirrors e Interior Darkness, coleção de contos e novelas de Peter Straub, apenas para citar alguns. Mas sem mais delongas vamos a minha lista dos melhores lançamentos de livros de terror de 2015, lembrando sempre que minhas indicações são baseadas nas minhas leituras e meu gosto particular, então é de se esperar que talvez nem tudo aqui seja de seu agrado. 

   Caixa de Pássaros rendeu a Josh Malerman a nomeação para a premiação de Melhor Primeiro Romance do Bram Stoker Awards de 2015, categoria vencida por Mr. Wicker de Maria Alexander, e se tornou um dos mais vendidos lançados este ano no Brasil por conta do inteligente formato de divulgação da Editora Intrínseca. Na estória uma estranha "moléstia” causa a destruição do mundo, trata-se de uma visão tão assustadora e inconcebível para a mente humana que o único refúgio possível é insanidade. Com isso emerge a violência, o caos e destruição. E no meio disso tudo uma mãe tenta sobreviver e dar esperanças para seus dois filhos pequenos. Foi uma das minhas leituras favoritas principalmente pelo clima de suspense presente em cada linha, a vontade de saber mais sobre as criaturas, mas ao mesmo tempo o medo de perder a sanidade descobrindo o que são. O livro alcançou um grande leque de leitores, para muitos deles o primeiro contato com o gênero, de modo que você vai encontrar dezenas de opiniões diferentes sobre a obra, principalmente críticas ao final. Particularmente eu gostei, o autor se utiliza do mesmo principio que a série Além da Imaginação utilizava para capturar seus expectadores, um final chocante e misterioso que deixa margens para interpretações e discussões. 


   Escuridão Total Sem Estrelas era um livro há muito aguardado e pedido pelos fãs de Stephen King, formado por quatro novelas (1922, Gigante do Volante, Extensão Justa e Um Bom Casamento) é mais uma incursão do autor ao lado escuro da alma humana onde vicejam os monstros e nascem aberrações, um limbo onde a consciência, culpa e o bom senso jazem crucificados pela sede de vingança e pelo horror. Como sempre King entrega bom entretenimento. 

Pines de Blake Crouch
   Pines é o típico livro explosivo que é fonte da destruição sistemática das defesas de um leitor. Primeiro há um começo misterioso, o personagem é jogado em uma pequena cidade estranha sem memórias, a narrativa tem algo de insidioso e consegue prender a sua atenção por páginas e páginas, então o que parece ser mais uma simples trama policial se revela algo mais elaborado,  a sensação de que há um grande segredo por trás de toda a calmaria dos moradores de Wayward Pines é ao mesmo tempo angustiante e excitante. E então a grande surpresa quando o segredo é revelado, o horror  se imiscui pelos parágrafos ao mesmo tempo em que o protagonista tem que lutar por sua vida. Por mais tonto que você fique com as descobertas, aquilo é apenas uma fração dos verdadeiros segredos de Pines. Não leia nada mais sobre o livro, evite até as orelhas da capa e sinopse. Embarque na leitura às cegas e se surpreenderá. 

   Sonho Febril é uma mistura inusitada entre horror, ficção histórica e fantasia urbana com um resultado que extrapola gêneros e rende uma ótima leitura. Ultrapassando o primeiro terço, cujas descrições do funcionamento das embarcações no século XIX é enfadonhamente dissecado, há uma das melhores remodelagens do mito do vampiro na literatura que já li. Assustador na medida certa e sangrento em demasia. Mais uma obra que aterrissou diretamente dos anos oitenta diretamente para o colo do leitor moderno, vi poucos leitores de terror que se aventuraram nesta leitura, mas todos ficaram com ótimas impressões. Se busca um livro de vampiros diferente, este é seu livro!

   Revival estava sendo prometido como o retorno de Stephen King a sua antiga forma, presente em clássicos de terror como O Cemitério,  embalado em uma homenagem à H. P. Lovecraft e Mary Shelley. O que não é dito que isso ocorre apenas nas páginas finais, a narrativa inteira do livro flerta com o sobrenatural, mas a verdadeira confirmação ocorre apenas no final. Gostei bastante da estória em geral, mas como minha expectativa era ler uma estória assustadora um pouco do brilho do livro perdeu-se nesse sentido. O final é completamente apoteótico, um dos mais brilhantes e desesperadores de King. Minha dica é não esperar sustos, apesar disso King é entretenimento garantido!

  Amado por muitos e odiado por outros, O Demonologista é um dos melhores e mais polêmicos lançamentos deste ano. Qualquer livro ou filme de terror que se dispõe a se imiscuir pelo caminho das crenças pessoais está fadado a ser vilipendiado por aqueles que se consideram os últimos bastiões de defesa de sua fé. Minha opinião positiva acerca do livro rendeu algumas mensagens e comentários de supostos "religiosos" criticando minha posição e recomendando um "descarrego" na igreja mais próxima, em questão de feedback está é a publicação que mais me fez gargalhar com as opiniões. Há uma linha bem tênue entre pessoas que leem e leitores. Ler qualquer um sabe, é ensinado em todas as escolas do Brasil, mas a formação de leitores é mais difícil, não é apenas questão de ler, mas sim de entender a mensagem que o autor e a estória tentam passar. 
   O pecado de O Demonologista está em seu final pouco elucidativo, a comparação com Dan Brown cria uma grande expectativa no leitor, afinal o Brown tem a fama de criar estórias fechadas cujos detalhes são explicados em monólogos ao longo do texto. Andrew Pyper segue a linha básica de muitos livros de terror dos anos setenta e oitenta, enfeitiçar o leitor com mensagens envolvendo conspirações satânicas e diabólicas, um personagem descrente que passa por uma evolução ao longo das páginas e um final aberto a inúmeras interpretações, e finais de livros e filmes de terror nunca, repito nunca, são aquilo que o leitor espera. Sempre evito formar qualquer tipo de expectativa ao ler um autor novo e com O Demonologista não foi diferente, apesar de imaginar que a estória ficaria mais interessante se o protagonista tivesse escolhido outros caminhos, gostei da forma como a narrativa se desenvolveu, principalmente como o autor conduziu as cenas de suspense. 

Florestranha de Christopher Golden
  O que acontece com os personagens de um livro quando o autor termina de contar suas estórias? Será que o feliz para sempre é real? Ou o mundo deles sofre uma profunda alteração com a nova realidade sem a existência do "deus" criativo? Christopher Golden insere com perfeição essas questões em Florestranha, que supostamente é para ser um livro infanto-juvenil de fantasia, mas há muitas passagens que tendem ao macabro, as próprias criaturas são bastante assustadoras e maneira como a estória se desenvolve é bastante sinistra, com um final no mínimo chocante para uma criança.  Uma leitura descompromissada com a dose exata de sobrenatural para relaxar entre um livro com uma estória mais pesada e outro.

  Hellraiser é o retorno triunfal de Clive Barker às livrarias brasileiras, um livro que há  anos é aguardado por seus fãs. E a Edição da Darkiside está impecável. A estória não precisa nem ser comentada, se você não a conhece e nunca ouviu falar provavelmente não merece ter contato com o livro mesmo. Leia apenas se tiver estômago e coragem suficiente para isso, mas se sua visão é puritana e o mais banal dos palavrões te deixa enojado, este livro não é indicado para você. A leitura dele literalmente irá te levar para o inferno.

Nacionais

  Alfer Medeiros e Lara Luft executaram um grandioso e ambicioso projeto ao dar vida a King Edgar Hotel, mais que uma coletânea de contos de horror é um romance fix-up, onde cada quarto possui sua história particular, mas todos juntos formam a mitologia horripilante do King Edgar, o retalho maldito de almas perdidas que compõe sua estrutura. Depois foi questão de convidar gentilmente 68 escritores, embora alguns aleguem terem sido arrastados, a passar uma inesquecível e maravilhosa noite no quarto de seu gosto e registrar suas sensações durante a estadia. Da experiência surgiram estórias chocantes e macabras que irão arrepiar a espinha de qualquer leitor. Um aviso ao incautos que abrirem suas páginas pela primeira vez, estejam preparados para sujar os dedos com o sangue que verte das páginas e ter seus ouvidos profanados por gritos de desespero. 

   O Bairro da Cripta é uma das invenções mais originais e poderosas da literatura nacional, M. R. Terci transporta o horror dos castelos medievais europeus para uma pequena e amaldiçoada cidade do interior de São Paulo, moldando o estilo para que se adequasse a realidade brasileira, com uma narrativa extremamente pessoal e poética. É uma coletânea de contos que exploram todas as nuances do horror de um bairro no limiar da imaginação e da realidade, os terrores que se esconde nas sombras das ruas e atormentam os moradores. O destaque é para a época em que as histórias acontecem, o autor conseguiu ao mesmo tempo imprimir uma atemporalidade a narrativa e situá-la em um período histórico através referências inteligentes.

   Ouça o Que eu Digo é o segundo romance de César Bravo, que como sempre entrega de bandeja uma estória repleta de horror embalada em um manto de atrocidades cobertas por sangue. Bravo explora a premissa da cidade pequena, com um histórico misterioso de segredos, que repentinamente sofre influência de uma força maligna através de seu inconfundível estilo que mescla terror e um refinado humor negro.

Carniceiro Mefítico de Jean Thallis
   Carniceiro Mefítico é segundo livro de Jean Thallis, autor de Lapso Esquizofrênico, se em sua primeira obra ele explora a infernal condição de uma mente doente, desta vez traz todo o inferno à Terra para criar uma estória macabra, sobre um serial killer canibal e necrófilo que ataca as crianças de uma pequena vila no interior da selva amazônica. Vívidas descrições de tripas escorrendo e atos tão obscenos e bizarros tornam a leitura torturante e deliciosamente estonteante, a mesma sensação de extrair a "casca" de uma ferida, há a dor do ato mas ao mesmo há uma sensação boa em se livrar daquele pedaço de pele.  A escrita de Jean Thallis é a que mais se assemelha a Clive Barker no início de sua carreira, a diferença está no aproveitamento da cultura brasileira e seus maravilhosos cenários. Carniceiro Mefítico é o livro que definitivamente te surpreenderá, se tiver estômago e coragem o suficiente para aguentar até as páginas finais. Infelizmente é o tipo de livro bastante difícil de ser publicado por alguma editora nacional, por isso a publicação do mesmo saiu do próprio bolso do autor em forma independente. 

Contos de Alguns Lugares de Paul Richard Ugo
  Há uma quinta dimensão além daquelas conhecidas pelo homem. É uma dimensão tão vasta quanto o espaço e tão desprovida de tempo quanto o infinito. É o espaço entre a luz e a sombra E se encontra entre o abismo dos temores e o cume dos seus conhecimentos. Essa é a dimensão da fantasia. Uma região conhecida como ...Além da Imaginação! Esta é a introdução da famosa série Além da Imaginação mas que serve perfeitamente como prefácio para a coleção de contos do autor Paul Richard Ugo, presentes em Contos de Alguns Lugares.  A narrativa descritiva desenvolve o horror a partir de situações fantásticas, os personagens são pessoas normais que repentinamente se veem em contato com o sobrenatural, suas reações são bem trabalhadas e o mais interessante das estórias é que não dá para prever o que acontecerá nas linhas seguintes, muitos finais são extremamente chocantes. Se prepare porque o bem nem sempre vence em Alguns Lugares.

  Abandonai Toda Esperança é o primeiro feto monstruoso da Trilogia Caídos, um livro de terror que flerta com a fantasia, através de uma linguagem poética e visceral, com o requintado toque gótico do horror cósmico. A estória narra as desventuras do amaldiçoado Emanuel do Túmulo, um bruxo capturado pela Inquisição em 1591 na, recém-descoberta por Cabral, Terra de Santa Cruz. M. R. Terci tece agilmente o universo de horror que está conectado com a pentalogia O Bairro da Cripta, mesclando a narrativa do terror clássico com elementos da cultura brasileira consegue criar uma obra inesquecível. 

Não Ficção

Sobre a Escrita de Stephen King
 Sobre a Escrita é um dos livros mais importantes de Stephen King, nele há o mais próximo possível que existe de uma autobiografia, além da exposição de toda a dor e desespero que envolveram o acidente que quase o matou no final da década de noventa. Mas o ouro está em suas dicas de escrita, não apenas para pretensos escritores, mas sim para qualquer  pessoa que precise escrever algum texto em sua vida. O tipo de livro que você absorve cada letra escrita em um aprendizado que mudará para sempre sua maneira de contar histórias.

 Em Social Killers.com: Amigos Virtuais e Assassinos Reais. JJ Slate e RJ Parker dissecam 33 dos casos mais notórios envolvendo crimes na internet, há desde roubo, extorsão e perseguição até casos mais arrepiantes como estupro, canibalismo e assassinato,  mostrando também a evolução da lei para conseguir coibir esses tipos de ações. Com uma escrita bastante simples e visceral, o livro atinge seu objetivo com precisão, fazer o leitor refletir sobre a falsa sensação de segurança que permeia a internet, confrontando-o com a realidade grotesca da mente doentia dos criminosos. Não há como não ficar chocado com os relatos. Não há como não se imaginar na pele das vítimas.

Maldito: Zé do Caixão de André Barcinski e Ivan Finotti 
  Maldito a biografia do Zé do Caixão é o relançamento da Darkside em uma nova edição recheada de imagens bizarras e curiosas acerca de sua carreira. O livro é muito bem escrito, não se resume a apenas narrar os acontecimentos da vida de Mojica e a produção de seus filmes, os autores inserem o leitor dentro do período histórico do Brasil da época contextualizando as dificuldades e problemas de produção que haviam, como por exemplo a batalha que era lançar um filme de terror com cenas explícitas de violência e sexo durante a ditadura militar e sua sádica censura. A história de vida do Mojica é inspiradora, sem muito estudo e com pouco dinheiro ele inaugurou o gênero horror no cinema brasileiro, criando um dos personagens mais icônicos da cultura nacional. Leitura obrigatória para os fãs do gênero, não apenas por dissecar a vida de um dos maiores mestres do cinema brasileiro mas também por traçar um resumo da produção cultural numa época tão conflituosa como a ditadura. 


14 comentários :

  1. Grande Rafa, meu eterno parceiro de jornada. Muito obrigado por lembrar desse cara aqui. Vida longa ao horror e ao seu analista supremo!!!

    ResponderExcluir
  2. Oi Rafa, adorei a postagem. 'Sonho febril' é muito bom mesmo, finalizei a leitura recentemente. Estou muito amsiosa para ler algumas obras da sua lista, prinecipalmente as do grande mestre do terror, uma vez que é impossível fazer uma lista do gênero e não citar King.

    Beijokas da Quel
    http://literaleitura2013.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Parabéns à Andross pelo King Edgar Hotel, que idealizou este projeto ambicioso, e aos organizadores que conseguiram costurar toda a trama com os autores. O resultado ficou mesmo excelente. Você não lerá uma antologia como essa por aí. Sou grato por ter sido um dos autores do King Edgar Hotel, e por ter sido ainda o escritor do episódio que encerra a trama.

    ResponderExcluir
  4. Grande lista! Também adorei o fim de Caixa de pássaros porque eu sinceramente não acharia graça em desvendarem todos os mistérios! King nem se fala e Darkside como sempre impecável! Concordo que faltou O Vilarejo. Abraço!

    ResponderExcluir
  5. Excelente lista Rafa,
    muitos já estavam na minha lista de desejados e próximas leituras, alguns acabaram de ser acrescentados... não tinha lido nada ainda sobre o Florestranha e me interessei bastante.
    Muito Obrigado por existir para trazer novas indicações de livros, além das palavras macabras e um tanto poéticas que utiliza para tal.
    Parabéns... Abraços!

    ResponderExcluir
  6. Fiquei surpreso pois como escritor iniciante nos livros (sim pois já escrevo por ofício como publicitário e professor), já figuro em sua lista junto a nomes de ilustres escritores que já estão nas estradas das letras faz tempo. Muito obrigado pela citação em seu blog e saiba que serve de estímulo para continuar privilegiando este estilo em minha próxima obra!

    ResponderExcluir
  7. Grande lista!!!Nacional e internacional,com gente experiente e gente que já chegou mostrando para o que veio!!!Meu sonho,King e M.R Terci na Darkside!!!
    Queria uma edição definitiva de "O Bairro da Cripta" com os cuidados da caveirinha!!!Foda!!!

    ResponderExcluir
  8. Parabéns Paul Richard Ugo pelo sucesso de seu "primogênito" Que venham outros bem depressa. Ótima leitura.
    Jorge Ferreira.

    ResponderExcluir
  9. Como eu faço para adquirir "Carniceiro Mefítico"?

    ResponderExcluir
  10. O livro Contos de Alguns Lugares pode ser adquirido na Travessa - http://www.travessa.com.br/contos-de-alguns-lugares/artigo/94a3da37-12c2-4c00-b0c6-a629d08748c3

    ResponderExcluir
  11. Mandou bem, Terci! Você detona, cara!!!! Aguardando pelo segundo livro da trilogia! Abraços!

    ResponderExcluir
  12. Amei sua lista! Alguns livros conhecia, outros, como "Florestranha" ainda não e foi direto para a lista de desejos.
    Tive o prazer em conhecer Terci e fiquei encantada com tanto talento. Estou lendo o tomo I de "O Bairro da Cripta" e gostando muito.
    Abraços
    http://lua-literaria.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Sou muito grato de ter feito parte do "King Edgar Hotel", um livro muito especial em que dei o meu primeiro passo na literatura de terror. Vê-lo nessa lista me deixou muito feliz e, para não perder a oportunidade, aproveito para parabenizar os organizadores e demais autores por um excelente trabalho.

    Abraços,
    Ricardo - www.overshockblog.com.br

    ResponderExcluir