ÚLTIMAS NOTÍCIAS

16 de maio de 2016

Resenha: Menina Má de William March

    “ March sabe onde os temores e os segredos humanos estão escondidos.” New York Times

“Uma verdadeira proeza artística.”
Atlantic Monthly
Sinopse:
   Rhoda, a pequena malvada do título, é uma linda garotinha de 8 anos de idade. Mas quem vê a carinha de anjo, não suspeita do que ela é capaz. Seria ela a responsável pela morte de um coleguinha da escola? A indiferença da menina faz com que sua mãe, Christine, comece a investigar sobre crimes e psicopatas. Aos poucos, Christine consegue desvendar segredos terríveis sobre sua filha, e sobre o seu próprio passado também.

Opinião:
    A literatura de terror passou por incontáveis mudanças ao longo dos anos, de tempos em tempos é necessário que o gênero se reinvente para acompanhar as mudanças sociais, a noção do que é assustador e do "medo" se altera entre as gerações e em meados da década de 50, as assombrações que vieram no esteio da virada do século XX, já não eram mais tão temerosas. O mundo havia passado por duas grandes guerras mundiais e as cicatrizes dos horrores vividos ainda ardiam dolorosamente, a ascensão dos primeiros casos explorados pela mídia de assassinatos em série e a percepção da ilimitada maldade humana criaram um novo tipo de monstro. Uma criatura que não se escondia na escuridão sobrenatural da noite, mas sim, no sorriso estranho de um vizinho, no interesse insistente de um colega de trabalho ou na solidão de um filho precocemente inteligente. Nessa época obras como Psicose de Robert Bloch e Vingança Diabólica de Stephen Gilbert exploraram o lado doentio humano, mas nenhuma delas foi tão fundo como William March em A Menina Má.
    The Bad Seed, A Menina Má, foi publicado originalmente em 1954, no mesmo ano em que Richard Matheson revolucionava as histórias de vampiros com Eu Sou a Lenda, e foi recebido com furor pela comunidade literária, muitos o consideraram um suspense aterrorizante, enquanto outros criticaram a morbidez e violência da história. Mas nada disso impediu o livro de se tornar um sucesso de vendas, ocasionando uma rentável e popular adaptação teatral, e posteriormente uma cinematográfica. William March constrói sua trama por meio da exploração do horror de uma mãe, ao descobrir o lado assassino de sua filha, seu êxito está na forma como coloca a criança protagonista através dos olhos da mãe, cada percepção de uma faceta maligna de sua personalidade é um prego cirurgicamente atravessado no coração materno. 
    A questão central do livro é a gênese da maldade. Será que todos nascemos com a semente do mal dentro de nós e é o ambiente de criação que a faz florescer? Ou há um gene maldito que nos condiciona a praticar atos violentos desde a tenra infância? O autor insere essas dúvidas com perfeição na mente do leitor e ao longo das páginas disseca cada hipótese mergulhando no turbilhão de loucura e deterioração mental da mãe, confrontada por um dilema mortal, o instinto protetor para com sua filha e o dever moral perante a sociedade, os segredos sangrentos de sua vida particular aos poucos transbordam por entre a ilusão de felicidade erguida pela sociedade. 
    A narrativa de William March é carregada do senso moral da época em que o livro foi escrito, diálogos que atualmente denotariam uma inocência infundada são realistas para aquele momento da história, porém sua principal característica, chocar o leitor perante os atos de uma psicopata infantil, permanece inalterada. O texto é leve e ágil, a construção do suspense ao longo da história é claustrofóbica, os desfechos prováveis vão sendo cada vez mais apertados até sobrar apenas uma conclusão esmagadora. A tradução conseguiu aliar a sensação de uma narrativa da época com um ritmo moderno e viciante, uma vez iniciada a leitura é impossível ter paz de espírito até saber o final, e uma vez chegando lá você aprende que nunca mais conseguirá encarar uma criança com os mesmos olhos novamente. 

Nota: ☠☠☠☠☠☠☠☠☠☠ (10/10 Caveiras)

3 comentários :

  1. Como sempre, vc vai direto ao ponto. <3 Adorei a resenha, parabéns, Rafa. :)

    ResponderExcluir
  2. Eu queria ler esse livro pois adoro a darkside e tenho uma mini coleção de livros da editora, mas confesso que tenho "medo" de ler sobre crianças psicopatas...isso é muito profundo, uma criança é para ser inocente, né?
    parabéns pela resenha super clara e direta

    ResponderExcluir
  3. Já queria, AGORA QUERO MUITO!! Melhor resenha que li desse livro até agora :D

    ourbravenewblog.weebly.com

    ResponderExcluir