ÚLTIMAS NOTÍCIAS

24 de janeiro de 2016

Resenha: O Regresso de Michael Punke


Sinopse:
   Em 1823, os caçadores da Companhia de Peles Montanhas Rochosas desbravavam as terras inexploradas dos Estados Unidos, enfrentando diariamente o clima implacável, as feras selvagens e a ameaça constante de confronto com os índios, que defendiam suas terras da invasão dos homens brancos. Em uma das missões da companhia, Hugh Glass, um dos melhores e mais experientes caçadores do grupo, fica frente a frente com um urso-cinzento, é atacado e termina gravemente ferido, claramente sem chances de sobreviver. Os homens que deveriam esperar sua morte e lhe oferecer um funeral apropriado o abandonam, levando consigo as armas e os suprimentos. Entre delírios, Glass os observa fugindo e é tomado por um único desejo: vingança. Uma determinação cega que o torna capaz de atravessar quase cinco mil quilômetros de terras intocadas e selvagens, fugindo de predadores, sobrevivendo à fome e à agonia dos ferimentos mais terríveis, a fim de concluir seu objetivo. 

Opinião:
  Quando os europeus "descobriram" a América centenas de tribos indígenas habitavam o continente, as novas colônias eram erigidas em cima de rios de sangue e sobre campos de cadáveres, cada palmo de terra era disputado até a morte pelos nativos que, sobrepujados em tecnologia, foram obrigados a se embrenhar cada vez mais para o interior de suas próprias terras. Esse arranjo funcionou  em meados do século XVI, na época das Treze Colônias Inglesas, quando a população branca europeia era ínfima. No início do século XIX, a imigração, aliada aos avanços tecnológicos da indústria e da agricultura, resultou em uma imensa explosão populacional e a expansão para o Oeste Selvagem fez-se necessária. E assim se iniciava o desbravamento mítico do interior dos Estados Unidos, imortalizados pelo gênero western, pioneiros, cowboys, índios, garimpeiros e foras da lei, lutavam pela sobrevivência em uma natureza selvagem, um mundo fantástico e desconhecido onde o predador mais perigoso era o próprio homem. 
  O Regresso é uma das muitas histórias baseadas em fatos reais que ocorreram nesta época, que evoca toda a bravura do espirito humano através da incrível tenacidade em superar situações extremas, alimentado por apenas um desejo, a vingança. Hugh Glass foi um dos corajosos desbravadores, que motivados pelas promessas de riqueza e munidos de grande curiosidade sobre o mundo que os cerca, partiram para o Oeste Selvagem em busca de glória, experiente caçador acabou participando de um dos muitos grupos da Companhia de Peles Montanhas Rochosas, fundada por William Henry Ashley, que realizava expedições para capturar peles de animais e realizar comércio entre caçadores e índios. Em uma dessas missões Glass foi atacado por um gigantesco urso, as patas do animal atravessaram toda a extensão de suas costas, rasgaram pedaços de sua garganta e laringe e terminaram quase arrancando seu couro cabeludo. Os homens de sua companhia se assustaram ao notar que aquela massa de sangue ainda respirava, não havia muita esperança olhando seu estado, o frio implacável e a falta de instrumentos médicos decentes eram grandes inimigos. Após muita discussão, suas feridas foram suturadas e dois homens destacados para ficar para trás e acompanhar seus últimos momentos, proporcionando uma cova adequada para o futuro cadáver. Glass apesar de estar em péssimo estado, não morria,  seus pretensos companheiros acabaram abandonando-o às intempéries acreditando que a morte não tardaria a chegar. O que não esperavam é que de alguma maneira ele sobreviveria. Sobreviveria para buscar vingança.
   Deixado perto de uma nascente, ferido e mutilado Glass se agarra com todas suas forças aos resquícios de vida que ainda restam em seu corpo gelado, imerso em uma batalha interna contra infecções precisa ultrapassar seus extremos para conseguir comida. Sua humanidade é reduzida a frangalhos quando em um momento de fraqueza é obrigado que vilipendiar uma carcaça pútrida de búfalo para não perecer de fome.    A escrita de Michael Punke é visceral e imaginativa, suas descrições da região das Montanhas Rochosas são de uma vivacidade estonteante e transportam o leitor diretamente para o meio das planícies e montes gelados, confrontando-o com escolhas éticas, angustiantes batalhas contra animais selvagens e com a beleza de natureza inexplorada.  Uma das cenas mais perturbadoras, e que exemplificam o tom narrativo,  é quando Glass encontra alguns índios que ficam impressionados e enojados com os ferimentos em suas costas, ao tocar as frágeis bandagens ele sente uma massa fervilhante de vermes se alimentando da podridão de sua pele infeccionada.  O livro deu origem ao filme de Alejandro González Iñárritu, protagonizado por Leonardo DiCaprio, e apesar de ser baseado em um personagem real, grande parte do texto é ficcional, principalmente os detalhes sangrentos da jornada de Hugh Glass.  O resultado é um livro impressionante, o tipo de leitura imersiva que seduz empaticamente o leitor, cada página traz uma nova surpresa e emoção e no final a leitura é tão frenética que não há descanso. Sem sombra de dúvidas, um dos melhores livros do ano.

Nota: ☠☠☠☠☠☠☠☠☠☠ (10/10 Caveiras)

Postar um comentário