ÚLTIMAS NOTÍCIAS

18 de outubro de 2015

Resenha: Hellraiser: Renascido do Inferno de Clive Barker


“Eu vi o futuro do terror, seu nome é Clive Barker.” - Stephen King

Sinopse:
   Escrito em 1986, Hellraiser – Renascido do Inferno apresentou ao público os demoníacos Cenobitas, personagens criados por Clive Barker que hoje figuram no seleto grupo de vilões ícones da cultura pop como Jason, Leatherface ou Darth Vader. De leitura rápida e devastadora, Hellraiser – Renascido do Inferno conta a história de um homem obcecado por prazeres pouco convencionais que é tragado para o inferno. Inspirado nas afinidades peculiares do autor, o sadomasoquismo é um tema constante em sua arte.

Opinião:
   Philip Lemarchand foi um artesão francês do século XVIII reconhecidamente famoso por seus projetos envolvendo quebra-cabeças manuais que desafiavam completamente a lógica. As Caixas de Lemarchand foram manufaturadas em 1784 a pedido de um aristocrata obcecado por magia negra que queria criar uma espécie de portal para o inferno, porém o resultado escapou das mãos de seus criadores e a caixa se tornou uma passagem entre dimensões, para a horrível realidade governada pela Ordem de Gash, Os Cenobitas, criaturas cujos corpos foram modificados, através de ganchos, pinos e pregos para que nervos e músculos ficassem expostos em uma tortura eterna. Ao longo da série de filmes, a mitologia cercando as caixas é profundamente explorada, em especial em Hellraiser IV: Bloodline, sendo a mais famosa delas a Configuração do Lamento. Segundo os rumores aquele que conseguir desvendar seus segredos terá acesso a prazeres além da compreensão humana, os registros de sua existência são incompletos, dizem que a caixa ficou trancada por anos nos cofres do Vaticano até reaparecer tempos depois na posse do Marquês de Sade, que a decifrou enquanto estava preso na Bastilha e narrou suas experiências em Os 120 dias de Sodoma.
   Frank Cotton é um hedonista, sua vida é uma busca egoísta por prazeres carnais, depois de uma vida inteira nesse tipo de negócio sua mente ficou amortecida com as sensações que os outros podem lhe proporcionar, participou de todo o tipo de experiências sexuais conhecidas pela humanidade acompanhado das mais belas mulheres e drogas exóticas, porém nada disso o satisfaz mais. A única coisa que atiça sua imaginação é a lenda da Configuração do Lamento, a promessa de prazeres além da compreensão humana o faz embarcar em uma viagem ao redor do mundo em busca do onírico dispositivo. Depois de muitos becos sem saída e desilusões, com a caixa em mãos ele se prepara para invocar os seres que lhe mostrarão o verdadeiro significado da palavra prazer. Para tanto passou dias preparando uma recepção adequada para a chegada deles, um quarto desprovido de móveis e coberto de pétalas, um altar decorado com ossos, bombons e agulhas, um jarro com sua própria urina e um prato com cabeça de pombas. Quando o segredo é desvendado e a verdadeira natureza dos Cenobitas lhe é revelada é tarde demais para desistir. Ele gritou e  cada grama de seu sofrimento foi bem aproveitado. 
   The Hellbound Heart finalmente profana as estantes nacionais em uma edição sedutoramente pecaminosa, falar sobre a qualidade dos livros da Darkside Books tornou-se clichê mas não dá para não comentar sobre a capa dura de couro, com um design cuidadosamente intrincado da Configuração da Lamento que atinge os centros nervosos do prazer na pele e fazem da leitura uma experiência incrível. O acabamento interior é ímpio, a beleza dos detalhes é psicopata, a corrente que marca o início de cada capítulo, os pregos como divisores de páginas, as imagens e desenhos do Pinhead, completam o que é sinceramente a melhor edição da Darkside. Como fã de Clive Barker, após anos sonhando com o dia em que finalmente a obra seria publicada no Brasil, ter um livro desses em mãos é orgasmático.
   Clive Barker escreveu The Hellbound Heart pensando na adaptação para os cinemas, o nome é uma referência e homenagem a uma de suas principais inspirações, Edgar Allan Poe e The Tell-Tale Heart, O Coração Delator, o filme foi dirigido pelo próprio autor e funciona como um complemento à sua escrita visceral e cinematográfica. O livro é bem curto e apesar de não ser um dos mais violentos e eróticos de Clive Barker é uma leitura carregada de cenas chocantes e uma sensualidade profana. Curiosamente o tema da estória é o amor, o sentimento mais belo e inocente desvirtuado e maculado pela maldade, ou uma em uma visão mais simplista: o que as pessoas não fazem por uma boa "foda". Uma continuação intitulada The Scarlet Gospels foi lançada esse ano. Leia apenas se tiver estômago e coragem suficiente para isso, mas se sua visão é puritana e o mais banal dos palavrões te deixa enojado, este livro não é indicado para você. A leitura dele literalmente irá te levar para o inferno.

Nota: ☠☠☠☠☠☠☠☠☠☠ (10/10 Caveiras) 

Para mais informações sobre Hellraiser e a obra de Clive Barker leia:


2 comentários :

  1. Mais um ótimo livro do Clive Barker. Gosto muito da escrita do autor, mas confesso que muitas vezes fico desconfortável com as passagens eróticas e violentas criadas por ele.

    bomlivro1811.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Resenha impecável de um Livro irretocável, na concepção primorosa de uma Editora audaciosa.
    "Jesus wept!"

    ResponderExcluir