ÚLTIMAS NOTÍCIAS

5 de março de 2015

Resenha: Só A Terra Permanece de George R. Stewart


Sinopse:
   Enquanto o jovem estudante de geografia Ish estava isolado nas montanhas fazendo um trabalho para a faculdade, uma doença dizima a vida na Terra deixando apenas alguns sobreviventes. Ele então faz uma jornada solitária pelos EUA, encontrando pessoas abaladas pela tragédia, voltando depois à sua cidade natal e tomando a casa de seus pais como nova moradia. Ao longo do tempo ele vai encontrando pessoas com quem forma uma tribo.

Opinião:
   A ficção científica sempre produziu grandes obras apocalípticas e pós-apocalípticas e cada uma delas constrói um quadro diferente da destruição do mundo, seja por desastres naturais, uma revolução de máquinas, mortos-vivos, guerra nuclear ou biológica, asteroides gigantes ou a própria idiotice humana. As visões do fim do mundo sempre envolvem violência, a sociedade saindo de seu eixo e liberando o animal louco por sobrevivência que existe dentro de cada homem, quando o caos começa todos os pilares das antigas organizações ruem rapidamente. Mas poucas obras conseguem exprimir o verdadeiro sentido do final de uma civilização como Só A Terra Permanece faz, escrito no final da década de quarenta é uma obra seminal, influenciou uma geração de histórias do gênero desde games atuais como The Last Of Us a obras consagradas como A Dança da Morte de Stephen King. 
  George Stewart escreve com parcimônia e propriedade sobre os efeitos que a destruição da humanidade acarretaria ao planeta, não apenas com relação à fauna que se recuperaria dos anos de destruição, mas também com relação aos animais, a falta do homem no topo da cadeia alimentar teria grandes efeitos na natureza. Como o livro foi escrito antes das teorias conspiratórias e da loucura que imperou no período da Guerra Fria, muitos dos clichês a que estamos acostumados como hecatombes e sobreviventes mutantes são inexistentes, aspecto que torna a obra ainda mais valiosa e original. O fim de todos não está em uma explosão; O mundo não acaba com um suspiro, mas sim com um espirro, um estranho vírus altamente letal atacou os quatro cantos do planeta simultaneamente, sem proteção ou perspectivas de cura, o homem sucumbiu. Bilhões morreram. Na verdade apenas 1% da humanidade sobreviveu, herdeiros de um mundo morto e de uma sociedade em ruínas.
   Isherwood Williams é o protagonista e o livro segue a sua exploração dos Estados Unidos pós-apocalipse, sua busca por sobreviventes e a tentativa de reerguer a humanidade das cinzas. Na cena inicial Ish encontra um simples martelo, ferramenta que leva a todo lugar, utilizado primeiramente como defesa contra o desconhecido, depois como símbolo de uma ciência, de um saber perdido. Mas com passar dos anos o martelo começa a adquirir um simbolismo místico, da determinação humana de sobreviver. E é engraçado ao final ver o que o objeto se tornou. O apocalipse em si não é muito referido pelo autor, seu foco é em como as relações sociais acontecem após a destruição e as mudanças nas mesmas, a ambivalência de antigos valores e julgamentos, o poder da solidão, a estrutura familiar, a educação e os instintos básicos do homem de buscar conforto na religião, nos costumes e superstições. 
    Só A Terra Permanece é uma leitura bastante emotiva, os protagonistas são construídos a partir da dor da perda de todos os que conheciam durante o apocalipse, mas ao longo das páginas seu caráter se altera através da maneira como evoluem de acordo com o tempo e os problemas que surgem. Conforme os anos vão passando nota-se que a raça humana não pode mais viver apenas de restos da antiga sociedade, é preciso reeducar a nova geração para que se possa aproveitar os resquícios da tecnologia antiga em prol da sociedade, todo o saber acumulado em centenas de anos está a poucos passos do completo esquecimento, máquinas pararam de funcionar e a ação do tempo e animais predadores destruíram o que sobrou. Agora o homem não domina mais o mundo. A noite tornou-se novamente perigosa e sombria. É preciso encontrar uma maneira de sobreviver nesta nova realidade. Pois o homem vem e vai, mas só a terra permanece. 

Nota: ☠☠☠☠☠☠☠☠☠☠ (10/10 Caveiras)

6 comentários :

  1. Olha gostei de conhecer um pouco deste livro, eu gosto desse tipo de historia. Ele me lembrou o filme A Lenda, mas acho q é normal. Mas queria que eles inovassem nas formas de destruir a terra kkkk
    Bjos
    www.misturaseaventuras.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Mais uma obra apocalíptica que não conhecia. Eu só não compreendi o que você disse sobre haver influências de a dança da Morte. O livro não foi escrito na década de quarenta, ou seja, muito antes?

    ResponderExcluir
  3. Acabei me expressando mal Ronaldo, na verdade eu quis dizer que como uma obra seminal ela serviu de inspiração, ou seja influenciou muitos autores do gênero nos anos seguintes, como o próprio King que em uma entrevista disse ser esse livro que inspirou a premissa de A Dança da Morte, que foi como acabei conhecendo esse livro.

    ResponderExcluir
  4. Eu amo esse livro. Chorei muito no final e acho que é uma das melhores distopias já escritas. É uma pena que ele é tão pouco conhecido no Brasil. A última edição foi da GRD e ele desapareceu. Agora que temos tanta facilidade com ebooks, tava na hora de alguma editora relançá-lo, pois é muito bom. =D

    ResponderExcluir
  5. Gostei desse! Parece bem interessante e combina com o tipo de leitura que aprecio!
    Rafael, você escreve com tal maestria que estou me sentindo sortuda por estudar contigo kkkkkkkkkkk
    Beijo e adorei

    ResponderExcluir