ÚLTIMAS NOTÍCIAS

11 de dezembro de 2014

Terrorspectiva #1: Os Melhores Livros de Terror de 2014 [Lançamentos & Leituras]

   Este ano foi maravilhoso para os leitores brasileiros, grandes lançamentos esperados finalmente aportaram em terras nacionais e obras esquecidas foram dessenterradas de seus túmulos em edições lindas. Para começar a Darkside Books finalmente iniciou seus trabalhos mais aprofundados trazendo livros de terror clássico, como A Noite dos Mortos Vivos além de ampliar a coleção psicopata de serial killers com a Biografia de Charles Manson e a edição definitiva dos livros Iliana Casoy, Louco ou Cruel e Made in Brazil. A Suma de Letras finalmente retirou do estado de raridade duas grandes obras do mestre King, Angústia que passou a se chamar Misery Louca Obsessão e It, A Coisa, clássico indiscutível do horror. Também foi publicado livro inédito de Stephen King, Doutor Sono que trinta anos depois conseguiu reviver os monstros que habitavam o Overlook Hotel para um expurgo final contra Danny Torrance. A Editora Arqueiro depois de tantos pedidos desesperados de fãs finalmente trouxe ao Brasil o novo livro de Joe Hill, Nosferatu. 
  Assim como aconteceu ano passado, neste ano resolvi fazer uma lista com os melhores livros que li este ano, não apenas tendo por referência os livros lançados este ano mas seguindo o ritmo da minha leitura independente de ano de lançamento. Todos os escopos da lista acabaram sendo grandes demais de modo que resolvi dividi-los por gênero e definir o máximo de títulos para dez. Serão então quatro partes que abordarão: Terror, Fantasia, Ficção-Científica e Suspense Policial. A primeira parte da Terrospectiva começa com os melhores livros de terror de 2014:




A primeira coisa que me chamou a atenção foi à capa, logo imaginei que fosse uma obra de horror estrangeira publicada por uma pequena editora desconhecida, mas fiquei bastante surpreso quando descobri que era escrita por autores nacionais e ainda mais que fazia de um projeto que envolvia filme e livro, numa combinação assustadora. Em O Diário de Um Exorcista conhecemos a trajetória do Padre Lucas Vidal e sua batalha contra o mal que o persegue a cada passo de sua vida, o grande trunfo da trama é a simplicidade com que o relato é contado, a combinação das singelas reminiscências do padre com o cenário brasileiro contribui para a criação do clima sombrio que acompanha a obra. É um livro obrigatório para os fãs de terror nacionais principalmente pela qualidade do livro mas também pela oportunidade de mostrar que o gênero horror também tem mercado por aqui.


    Peter Straub é um grande autor de terror e um dos meus favoritos quando a questão a criação de cenários densamente detalhados e com profundos embates psicológicos. Então porque é tão ignorado pelas editoras nacionais? A sua fama por aqui se deve aos livros que escreveu em parceria com Stephen King, O Talismã e Casa Negra, poucos conhecem as outras traduções de obras do autor, entre esses o que mais se destaca é Ghost Story, Os Mortos-Vivos como foi traduzido, que pode ser definido como o melhor livro sobre fantasmas de todos os tempos. Além disso há pouca coisa publicada, Mr. X foi seu último romance publicado no Brasil, posteriormente houve a publicação de uma novela chamada Um Lugar Especial, e é um nítido exemplo da qualidade soberba das tramas do autor. Straub se utilizou do mito do Doppelganger para criar um dos vilões mais psicopatas e dementes da literatura, se baseando na mitologia de Lovecraft para cimentar a sua loucura.
   O resultado é um livro bastante complexo, cheio de camadas que possuem conexões bastante subliminares em um cenário construído de detalhe através de detalhe. Talvez isso não agrade a todos os leitores principalmente por ser uma trama mais madura que visa reflexão. Eu posso dizer que o livro me capturou completamente, a experiência foi mais que satisfatória e aumentou ainda mais minha adoração por Peter Straub. Um ponto importante a se abordar é que uma das grandes expectativas para este ano era o lançamento de Dark Matter, obra premiada do autor cuja novela que serve de prólogo, Um Lugar Especial, já havia sido traduzida por esse motivo em especial. Desde dois anos atrás eu questionava a Editora sobre o lançamento, a promessa era para esse ano mas que infelizmente...


    A Darkside Books está sempre em busca de títulos que consigam se esgueirar pela mente do leitor e apavorá-lo! Atacá-lo! Deixá-lo tão horrorizado que uma safra particularmente boa de pesadelos surja dos sustos. Seu grande lançamento foi Psicose, a grande obra que inspirou o mestre Hitchcock em uma edição que fez verter lágrimas ao olhos dos mais empedernidos leitores de horror que se aferravam a uma velha e surrada edição dos anos cinquenta. Desta vez a Editora não precisou cavar tão fundo para desenterrar A Noite dos Mortos Vivos pois a obra jazia em animação suspense esperando apenas que um saboroso cérebro chegasse perto o suficiente...  O livro é a obra seminal que deu origem ao zumbi moderno, John Russo e George Romero se utilizaram do tema não apenas para arrancar sustos mas também para fazer uma critica social, é um dos poucos livros sobre mortos-vivos que realmente consegue fazer uma critica social sincera. A edição brasileira ainda é mais especial por conter ainda A Volta dos Mortos Vivos, dois livros em um só!


   Battle Royale é um livro bastante controverso.  Há toda aquela conversa chata sobre o alto teor de violência gratuita presente na história além da questão que envolve Jogos Vorazes no qual os fãs mais xiitas alegam plágio. Independente de qualquer coisa Battle Royale é um sucesso, transformado em filme, mangá e posteriormente anime se tornou base para uma grandiosa tsunami de produções centradas na premissa de jovens combatendo entre si pela sobrevivência do mais forte. É um livro que deve ser lido principalmente porque não aborda apenas a questão da violência mas também faz uma profunda análise da psique humana, as relações sociais, amizade, amor e honra.


   César Bravo é sem sombra de dúvidas um dos melhores autores brasileiros de terror de todos os tempos, com um estilo bastante sarcástico consegue produzir a mistura perfeita entre o gore e o cômico. Cavernas de Ossos é sua incursão mais sombria ao mundo da fantasia, seu único romance publicado como autor independente além de duas coleções de contos, Além da Carne uma bizarra e angustiante coleção de pesadelos explícitos e Calafrios da Noite um livro que ilumina os monstros que vivem na escuridão porém grande parte das vezes essa penumbra é formada apenas por espelhos.  Este ano César Bravo lançou apenas uma pequena novela com pouco mais de sessenta páginas, mas são as páginas mais desesperadoras que você pode encontrar. Intercalando a narrativa entre o ambiente claustrofóbico de uma cadeia com o ambiente pútrido de um navio negreiro o autor cria um clima de eterno suspense, onde quando menos se esperava a violência pode surgir principalmente atrás das grades sob os olhos da justiça. Um lugar esquecido por Deus e onde maldições tem poder.


    Essa era uma republicação bastante aguardada de Stephen King, anteriormente chamado de Angústia era um dos títulos mais raros da Coleção Mestre do Horror e Da Fantasia atualmente. Misery é uma história de suspense que se infiltra no canto mais profundo da mente do leitor e começa a arranhar as paredes do cérebro causando arrepios e calafrios, a protagonista Annie Wilkes é um dos melhores vilões do autor, ao mesmo tempo em que representa o mal a crueldade reencarnados, conseguem apresentar uma fachada acima de qualquer suspeitas. Dean Koontz aproveitou essa mesma faceta maligna para dar vida ao vilão de Intensidade, o carismático Edgler Vess. Misery é a principal personagem da série mais famosa de Paul Sheldon, uma mulher pragmática que vive entre dois amores em uma romance de época que faz um grande sucesso entre o publico feminino. Em seu último livro o autor decide matar a personagem, ato que causa revolta em suas fãs principalmente em Annie Wilkes, uma solteirona psicopata que vê seu destino mudar quando encontra o próprio Paul Sheldon, ferido por um acidente de carro, perto de sua casa. 


   Um clássico exemplo dos remanescentes livros de terror da década de oitenta, cada vez mais está ficando difícil encontrar um bom livro, principalmente em boas condições pois não havia muita preocupação com a vida útil das obras. O resultado são edições em péssimo estado com preços que chegam a ser abusivos como é o caso de Os Gêmeos de Thomas Tryon e A Besta Fera de Jack Woods. O Diabo Nunca Dorme não é um livro espetacular mas cumpre fielmente seu papel como uma história de suspense sombrio, partindo da premissa da época que o demônio busca maneiras de entrar no mundo dos vivos, uma antiga lenda dos tempos da Inquisição retorna para vingança quando seu túmulo é profanado.


   A Coleção Dissecando é uma das mais fantásticas realizações da Darkside Books, são livros que trazem os bastidores de filmes de terror que se tornaram clássicos do gênero, até agora foram publicados Evil Dead - A Morte do Demônio e o próprio O Massacre da Serra Elétrica, porém existem previsões que indicam que Freddy Kruger e Jason se juntarão a Ash e Leatherface no banquete de horror da Darkside. Elogios a edição a parte o livro é bastante informativo e traz inúmeras curiosidades do processo por trás da mágica de criar um filme, passando pela história do clássico original da década de setenta, suas continuações de baixa qualidade e os remakes atuais. É um livro indicado para os verdadeiros fãs de terror mesmo.


    Nosferatu era a publicação mais aguardada este ano por mim, depois de ouvir tantos comentários positivos sobre o livro e até ver uma indicação mais que merecida ao Bram 
Stoker Awards junto com Doutor Sono do Stephen King, não havia como controlar a ansiedade perante o lançamento que se aproximava. Grandes ressalvas com a escolha do título da capa a parte, a verdade é que a história é superou minhas expectativas e foi a verdadeira ascensão de Joe Hill ao patamar de grande escritor de terror. Nosferatu possui um dos melhores vilões criados neste século, Charlie Manx, um vampiro de almas que se alimenta da essência de criancinhas, que se tornam suas escravas na Terra do Natal.
   Joe Hill definiu a obra como sua tese de doutorado em horror. Nosferatu também serve como um nó final que une a trama outrora fraca do universo do autor, eram muitos os críticos que diziam que suas histórias anteriores eram boas, A Estrada da Noite e O Pacto, mas não tinham um desfecho adequado além de várias pontas soltas que não explicavam detalhes básicos como porque e como. Nosferatu além de cobrir essas lacuna abre espaço para o universo expandido do autor que conta ainda com mais duas histórias referenciadas que podem vir a ser publicadas.


  O Iluminado é um dos livros mais importantes para mim, além de ser minha primeira leitura, na época para um trabalho de escola, é responsável por minha inclinação a literatura de terror. Foi com bastante medo que ouvi a noticia de que haveria uma continuação, principalmente pela questão de a história original não ser projetada para uma saga e também pela experiência negativa com Talismã e Casa Negra. Mas para minha surpresa desde o início a história consegue prender o leitor, Danny Torrance não cresceu para se tornar um personagem vazio, ao contrário seus próprios problemas com bebida (que foram a ruína de Jack Sawyer) servem como aprendizado para ele reencontrar sua essência, não deixando em nenhum momento de ser o personagem carismático que era em infância. Desta vez sua batalha será contra um grupo de pessoas que se alimenta da essência de pessoas iluminadas como ele, ao ajudar uma menininha a escapar desses seres irá descobrir que o passado ainda não está completamente enterrado. Ainda tem que fechar a conta com o Overlook e seus fantasmas.

11 comentários :

  1. Lista muito boa. Estou ansioso pra ver as outras partes. E também para ler "Doutor Sono" e "Nosferatu" que devem ser épicos.

    ResponderExcluir
  2. Amei todos *O* estou curiosa para ler vários ai principalmente doutor sono e o diabo nunca dorme *O*

    Um beijo!

    http://meubaudeestrelas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Quero muito ler Battle Royale!

    http://criativare-leitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Terror... não é muito a minha praia... prefiro um bom suspense policial (com muitas mortes se possível...)

    http://www.conversandocomdragoes.com/

    ResponderExcluir
  5. Já li Battle Royale, A Noite dos Mortos Vivos e Misery, e posso dizer que gostei muito de todos, com destaque para o espetacular Battle Royale, que está na lista dos melhores que li até hoje. Tenho também Doutor Sono, Nosferatu e Diário de um Exorcista, sendo que tenho altas expectativas em relação a eles. Me interessei em ler Navio Negreiro, que acho que vou gostar muito.
    Maurilei

    ResponderExcluir
  6. Adorei sua lista, muitos desses eu nunca tinha, sequer, ouvido falar, O Iluminado também é um livro importante pra mim, foi ele que me introduziu no mundo das leituras mais adultas e, mais importante, à obra do mestre.
    Comprei Doutor Sono pela internet mês passado mas pelo que estou vendo só vai chegar ano que vem :/ provavelmente vou reler O Iluminado enquanto ele não chega...

    Grande abraço!!
    Leitor Antissocial

    ResponderExcluir
  7. Yeah, man. Agradeço a menção bem mais que honrosa. É uma felicidade enorme estar nessa lista. Abração!

    ResponderExcluir
  8. Bela terrorspectiva. Li uns e adorei. Comprei outros e ainda não li, mas quero.
    Adorei!!!

    Bjks

    Lelê - http://topensandoemler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Os melhores livros de terror que li este ano em minha opinião foram:

    1º IT A Coisa
    2º Os Mortos Vivos
    3º Battle Royale
    4º História Extraordinárias de Edgar Alan Poe
    5º Sombras da Noite
    6º O Exorcista
    7º A Hora Do Vampiro
    8º O Iluminado
    9º A Noite dos Mortos Vivos
    10º Christine

    Maurilei

    ResponderExcluir
  10. Também acho um absurdo o valor de A Besta Fera nos sebos online.

    ResponderExcluir
  11. Li a alguns dias Nosferatu e Doutor Sono, e digo que não achei Nosferatu convincente, acho que o problema foi comigo não gostar muito dele, pois reconheço ser um bom livro. Em razão a Doutor Sono eu gostei muito, com destaque para os vilões "O Verdadeiro Nó".

    Maurilei.

    ResponderExcluir