ÚLTIMAS NOTÍCIAS

28 de dezembro de 2014

Resenha: Os Livros de Bachman de Stephen King

   Os Livros de Bachman é a obra mais rara de Stephen King no Brasil pelo simples fato de que nunca mais será republicada novamente. Publicado originalmente em 1985 nos Estados Unidos como The Bachman Books: Four Early Novels, Os Livros de Bachman, que no Brasil faz parte da Coleção Mestres do Horror e Da Fantasia, reúne os quatro primeiros romances de Richard Bachman: Rage (Fúria), The Long Walk (A Longa Marcha), Roadwork (A Autoestrada) e The Running Man (O Concorrente).


   Stephen King é uma máquina de escrever, produz livros e contos em um volume tão grande que muitas vezes há anos em que se tem a publicação de dois romances inéditos, no começo de sua carreira os editores queriam aproveitar o sucesso proveniente de Carrie, A Hora do Vampiro e O Iluminado publicando o maior número de obras dele que pudessem, mas ao mesmo tempo não queriam saturar o mercado de Stephen King. O próprio autor sugeriu então publicar algumas de suas histórias sob um pseudônimo. O primeiro nome escolhido foi Gus Pillsbury, avô materno de King, mas no último momento o nome foi alterado para Richard Bachman. A inspiração surgiu através de Donald Westlake, autor de livros policiais que publicou alguns títulos como Richard Stark, e de uma banda de rock canadense chamada Bachman-Turner Overdrive. Richard Bachman além dos quatro livros publicados em Os Livros de Bachman ainda publicou A Maldição do Cigano e dois títulos póstumos, Os Justiceiros e Blaze.  Uma curiosidade interessante é que Stephen King publicaria Misery através de seu pseudônimo, mas como este foi descoberto acabou que o livro saiu com seu nome mesmo e se tornou um dos seus maiores sucessos.

Fúria (Rage, 1977)
  "Charlie Decker é um garoto problemático, e seus pais, amigos, professores e mais um conjunto de eventos o fizeram pirar. Charlie tem uma arma, Charlie é perigoso. Ele segue para a aula e mata sua professora de álgebra e mais outro professor, e passa a manter a sala de refém. Começa um jogo psicológico mortal entre Charlie e seus colegas. Os segredos íntimos deles são revelados um a um e a ansiedade pouco a pouco se instala. É uma lição que Charlie quer que nunca esqueçam."
   O primeiro livro de Richard Bachman, Fúria foi publicado em 1977 e se tornou notório por ser a única obra de Stephen King que ele proibiu a reimpressão. Vários crimes ocorreram em escolas envolvendo alunos descontando sua raiva em colegas e professores, nos pertences de cada foi encontrado um exemplar de Fúria e que logicamente foi apontado como catalisador da violência. Minha primeira leitura ocorreu na adolescência e como muitos não tem como não se identificar com as mazelas do protagonista, o próprio King disse que colocou na história todas as suas frustrações na época. Não é uma história diferente de Carrie, uma garota que busca vingança dos gozadores da escola ou até mesmo Christine, no qual o carro mata os perseguidores de seu jovem proprietário, mas como a maioria dos livros de Bachman, transborda loucura e violência. O melhor da história é como o protagonista acaba desenvolvendo a Síndrome de Estocolmo com seus colegas que passam a vê-lo com novos olhos. Fúria é rápido e visceral, hoje em dia pode sem encontrado, além do raro Livros de Bachman, em formato digital em qualquer site de downloads do gênero.

A Longa Marcha (The Long Walk, 1979)
    "A Longa Marcha é um evento anual que reúne cem rapazes. É uma competição futurística cujo prêmio é um desejo realizado, seja qual for. As regras são simples: durante todo o percurso não se pode parar, e aquele que for advertido três vezes por andar numa velocidade abaixo da requisitada é eliminado da corrida. Seria uma excelente competição, se a eliminação não fosse no sentido literal da palavra…"
   Há uma grande polêmica acerca de Battle Royale e Os Jogos Vorazes, mas antes mesmo desses livros abordarem um futuro distópico em que o governo obrigava jovens a realizarem jogos sangrentos em que apenas o vencedor sairia com vida, Stephen King havia escrito A Longa Marcha.  Não que tenha sido a primeira história do gênero, até porque Shirley Jackson escreveu na década de quarenta um conto bem interessante chamado The Lottery, ou A Loteria, no qual anualmente acontece em uma pequena cidadezinha uma espécie de sorteio no qual o escolhido é apedrejado até a morte, texto esse que causou bastante reações negativas na época de sua publicação.
  A Longa Marcha é minha história favorita em Os Livros de Bachman, uma história sombria onde o horror advém do esgotamento físico em mental que a caminha impõe. Coloque seu melhor par de tênis e entre na competição, comece caminhando com seus amigos enquanto os outros aplaudem e assistem seus esforços, a fome e a sede serão companhia constantes. Dia e noite caminhando, seus pés estão em carne viva, mas não é permitido diminuir os passos, aos poucos você vê seus amigos caindo e exaustão e sendo executados por soldados que os acompanham. E então o que você faria?

A Autoestrada (Roadwork, 1981)
 "Sofrendo pela morte de seu filho e pela instabilidade de seu casamento, Bart Dawes descobre que sua casa e seu negócio serão demolidos para a construção de uma autoestrada. Mas ele não se renderá assim tão facilmente. Munido com armas, balas e muita determinação, Bart seguirá em frente em sua missão pessoal de salvar o último refúgio que lhe resta, sem se importar com o resultado. Ele não tem mais nada a perder."
   A Autoestrada é um suspense psicológico bem construído mas que em comparação com as outras histórias possui um ritmo mais lento, centrada no desespero de um homem em perder seu lar e a paranoia que advém dessa constatação, a trama é algo que poderia estar nos jornais e passar despercebido por nossos olhos. A mão de Bachman mais uma vez presente consegue retratar com perfeição a instabilidade mental do protagonista. O livro foi relançado em 2009 pela Suma de Letras.

 "Num futuro onde a televisão tem mais valor do que a comida, Ben Richards entra num reality show mortal em busca de dinheiro para salvar sua filhinha doente. As regras do programa: Ben pode se deslocar para qualquer parte do mundo que consiga chegar, ao mesmo tempo em que é perseguido por caçadores cuja missão é matá-lo. Ele deve gravar um vídeo todo dia para provar que está vivo. Quanto mais tempo ele conseguir sobreviver, mais dinheiro ele ganhará. Conseguirá ele chegar ao fim do jogo e salvar sua filha?"
   O Sobrevivente foi republicado no Brasil em 2006 com o nome de O Concorrente, nos Livros de Bachman a história tinha esse nome por causa da adaptação, que não possui quase nada em comum com o livro, protagonizada por Arnold Schwarzenegger. Em um contraste quase chocante com A Autoestrada, O Sobrevivente é uma história de ação que se passa em um futuro distópico, assim como A Longa Marcha, uma leitura ágil e voraz que não dá tempo ao leitor para respirar. Leia a resenha no blog.


Considerações Finais
   Os Livros de Bachman são verdadeiras raridades e se você possui um pode se sentir um dos poucos felizardos a ter esse prazer, o exemplar que eu li encontrei ao acaso na biblioteca da cidade, ainda na adolescência em uma época que não sabia do tesouro que tinha em mãos. Hoje em dia é muito difícil encontrá-lo a venda, pois nos últimos anos os fãs de Stephen King tem esgotado cada vez mais suas obras raras, e os preços não são nada amigáveis. O exemplar mais barato se encontra na faixa dos quinhentos reais em uma edição muitas vezes danificada pelo tempo, há maneiras de conseguir um preço melhor mas só negociando diretamente com o vendedor. Mas quem tem Os Livros de Bachman não quer se desfazer deles. Meus dois exemplares mais raros de livros 'Stephen King', Trocas Macabras e Cão Raivoso vieram de duas coleções particulares de leitores mais antigos que morreram e os deixaram de herança para os filhos que não demoraram para vender as obras. Não desisto quem sabe algum dia consigo compra-lo?

Minha nota: ☠☠☠☠☠☠☠☠☠☠ (10/10 Caveiras)

5 comentários :

  1. Muito boa resenha. Me interessei por O Concorrente e acabei comprando.

    Maurilei.

    ResponderExcluir
  2. E quem não sonha com essa raridade? Espero ter a oportunidade de ler Fúria um dia!
    Adoro o blog e estou sempre aqui pra ver o que há de novo. Comecei a ler Stephen King a pouco tempo, por influencia do canal Ler Vicia e procuro toda e qualquer informação sobre o autor e sua obra. Seu blog e o canal Ler Vicia tem sido minhas principais fontes... Parabéns pelo trabalho!

    ResponderExcluir
  3. Eder Felício Leal2 de janeiro de 2015 13:44

    Fúria é o livro mais fraco de King, em minha opinião.

    ResponderExcluir
  4. O livro em si é fraco, e as histórias são muito abaixo do que Stephen King escreve.
    A rariade se dá pelo fato de figurar em uma das mais cultuadas coleções nacinais de livros de terror da extinta editora Francisco Alves e por conter a novela Fúria, realmente. Mas tem como baixar as novelas separadsa facilmente na internet e imprimir para matar a curiosidade; e então você vai dizer: "Ainda bem que não desperdicei meu dinheiro".
    Cá entre nós, pagar cerca de R$ 500,00 por esse livro é loucura. Algum tempo atrás encontrei dois exemplares na EV por cerca de R$ 120,00 e já achei caro. Os outros livros raros dele como Trocas Macabras, A Metade Negra, Os Estranhos e Depois da Meia-Noite, são muito melhores.

    Até mais.

    ResponderExcluir
  5. Anunciei o meu ano passado por 350,00.. vendeu na mesma hora... Hoje vejo anuncio por 1.300,00...

    ResponderExcluir