ÚLTIMAS NOTÍCIAS

4 de dezembro de 2014

Resenha: Depois: O Choque de Scott Nicholson

Sinopse:
   Uma gigantesca tempestade solar acaba com a infraestrutura tecnológica do mundo e mata bilhões de pessoas. Enquanto os sobreviventes lutam para se adaptar e sobreviver, percebem que algo entre eles… mudou. Rachel Wheeler está sozinha na cidade, onde violentos sobreviventes chamados de “sequelados” vagam pelas ruas numa onda de assassinatos e destruição. Sua única esperança é chegar às montanhas, onde o avô — um lendário sobrevivencialista — estabeleceu um complexo para se preparar para o juízo final. Os sequelados, no entanto, estão evoluindo, desenvolvendo habilidades enquanto destroem a sociedade que acabarão por substituir.

Opinião:
   Scott Nicholson é um dos autores que mais produz livros de horror e suspense na atualidade e é possível encontrar grande parte de sua obra traduzida para o português através de um projeto chamado TranslaCAT. A Igreja Vermelha foi sua primeira publicação e que alcançou maior repercussão, tanto que recebeu uma indicação para o Bram Stoker Awards, na categoria melhor primeiro romance. Na história uma pequena comunidade rural tem que enfrentar o renascimento de um antigo ser maligno quando o descendente do misterioso Pastor Enforcado retorna para reabrir A Igreja Vermelha. Quando o som das orações preenche até os cantos mais sombrios da igreja, um poderoso mal é libertado e sua sede de sangue e vingança é insaciável. Seu estilo de escrita é bastante típico dos anos oitenta, com criaturas aterrorizantes saltando das páginas, cenas chocantes e sangrentas e uma boa dose de tensão que prende o leitor até o final da história. Basicamente explorou todos os campos da ficção de horror que existem, histórias de fantasmas, monstros, vampiros e zumbis. É aí que chegamos a Depois: O Choque, o primeiro livro de sua série pós-apocalíptica que traz uma visão interessante da figura dos mortos-vivos.
   As tempestades solares são eventos normais com relação ao Sol, às vezes ocorrem grandiosas explosões onde uma quantidade de energia é liberada em forma de partículas para o espaço. Imagine a maior tempestade do gênero já registrada prestes a acontecer, os cientistas sabem de sua ocorrência, porém nada pode ser feito a não ser um alerta a população para que se espere alguns apagões de comunicação. Ninguém poderia prever o quão catastróficos seriam os efeitos dessa onda magnética, todos os equipamentos elétricos foram destruídos, desde o mais simples relógio digital até o mais sofisticado computador do governo. Porém o efeito mais devastador foi no cérebro humano, não se sabe como ou porque, mas algumas pessoas foram afetadas pela radiação do sol e se tornaram altamente violentas e cruéis. Não são zumbis no sentido mais estrito da palavra, primeiro eles não morreram, segundo porque não canibalizam suas vítimas e terceiro, nota-se certa inteligência rudimentar nessas pessoas que conseguem manejar pedaços de pau e ferro para atacar suas vítimas.  Esses seres humanos passaram a ser conhecidos como "sequelados".
   Partindo da premissa da tempestade solar, Scott Nicholson cria uma assombrosa e realista história sobre o fim do mundo, com uma visão inovadora com relação ao morto-vivo, que o transforma em um ser humano sem nenhum freio social reduzido a simples animalidade que advém do instinto de sobrevivência. Apesar de alguns clichês serem utilizados como grupos paramilitares psicóticos e malucos da teoria da conspiração, o livro consegue com êxito a façanha de entreter o leitor com uma história crível e personagens bem construídos. Sua maior qualidade está no fato de não tentar enganar o leitor com toda a baboseira pseudo-filosófica sobre os sequelados, sobre ainda ser humano ou ainda ter uma alma que grande parte das obras do gênero induz. Se alguém quer te matar ou você foge ou o mata primeiro, é simples. E é nessa simplicidade que reside a verdadeira demonstração desse dilema moral, será que para vencermos os monstros devemos nos tornar monstros piores? Mais um grande livro de Scott Nicholson.Boa leitura!


Minha nota: ☠☠☠☠☠☠☠☠☠☠ (10/10 Caveiras)

Postar um comentário