ÚLTIMAS NOTÍCIAS

22 de junho de 2013

Resenha: O Oceano No Fim Do Caminho - Neil Gaiman


Sinopse:
   Foi há quarenta anos, agora ele lembra muito bem. Quando os tempos ficaram difíceis e os pais decidiram que o quarto do alto da escada, que antes era dele passaria a receber hóspedes. Ele só tinha sete anos. Um dos inquilinos foi o minerador de opala. O homem que certa noite roubou o carro da família e, ali dentro, parado num caminho deserto, cometeu suicídio. O homem cujo ato desesperado despertou forças que jamais deveriam ter sido perturbadas. Forças que não são deste mundo. Um horror primordial, sem controle, que foi libertado e passou a tomar os sonhos e a realidade das pessoas, inclusive os do menino.
   Ele sabia que os adultos não conseguiriam — e não deveriam — compreender os eventos que se desdobravam tão perto de casa. Sua família, ingenuamente envolvida e usada na batalha, estava em perigo, e somente o menino era capaz de perceber isso. A responsabilidade inescapável de defender seus entes queridos fez com que ele recorresse à única salvação possível: as três mulheres que moravam no fim do caminho. O lugar onde ele viu seu primeiro oceano.

"Não tenho saudade da infância, mas sinto falta da forma como encontrava prazer nas coisas pequenas, mesmo quando coisas maiores desmoronavam."



Opinião:
   O Oceano no Fim do Caminho é um livro comovente, poético, nostálgico, sublime e principalmente absorvente, é difícil parar a leitura até devorar as linhas finais das mais de duzentas páginas que compõe a edição brasileira do livro. Neil Gaiman é um escritor com uma imaginação bastante forte que consegue captar nuances da personalidade humana nas mais diversas formas e transformar em palavras, de uma maneira tão magnifica e encantadora que a leitura de seus livros se torna extremamente prazerosa. Nesta estória em questão, o autor, consegue descrever sentimentos presentes na nossa infância com uma riqueza de detalhes nostálgicos, desde os medos até as pequenas percepções que iniciam a nossa passagem da infância a adolescência, o prazer em coisas simples e o véu de inocência que nos cobre os olhos diante do mundo adulto em sua estranha existência. Uma fábula de horror bastante poderosa em sua moral.
   O enredo é bastante simples e a primeira vista parece até um romance infantil, parecido com Coraline, mas uma análise mais aprofundada demonstra que esse é um livro para adultos tanto em sua temática como mensagem que o autor tenta passar, porém a linha entre os dois gêneros é bastante tênue e opiniões diferentes podem ser formadas através da diferente idade dos leitores. Não sou velho o suficiente para me identificar com o protagonista, mas sou o suficiente para sentir o tom nostálgico e realidade em sua "voz", com os anos as lembranças da infância se tornam mais distantes e parecem se soterrar em meio às novas experiências que a vida proporciona, porém às vezes um cheiro, uma música ou uma imagem parece puxar do fundo da mente um pequeno fio de memorias que logo se tornam um tsunami de sentimentos e emoções. É em um desses momentos que conhecemos o nosso protagonista.
   Não quero revelar nenhuma das surpresas da história, a sinopse contém informações suficientes para aguçar a vontade de ler sem dar muitos spoilers sobre o enredo. A magia do livro é a leitura cega que se apresenta uma estrada de muitos caminhos, mas todos convergem para o Oceano no fim. Como a grande clareira no fim do caminho que Roland De Gilead sempre cita. É um livro necessário que nos faz refletir acerca de todos os acontecimentos da nossa infância que nos transformaram no que somos hoje, todos os medos e as vitórias, os sorrisos e as lágrimas, mas principalmente nossos lugares mágicos naquela época, onde adultos não entravam e nossa imaginação ganhava vida. Você ainda se lembra deles?

Minha nota: ☠☠☠☠☠☠☠☠☠☠ (10/10 Caveiras) 

2 comentários :

  1. Muitas vezes, uma coisa minúscula me faz lembrar de algo do passado, que me faz lembrar de outro algo "que logo se tornam um tsunami de sentimentos e emoções.". Eu sei que se eu ler esse livro vou me fissurar - a tua opinião sobre o livro deixou isso bem claro - Vou me fissurar.
    Valeu essa resenha! Suas resenhas sempre valem, sempre são muito belas e nada cansativas. Parabenos!

    Gabryelfellipeealgo.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Estou lendo esse livro e estou me encantando mais a cada página. É realmente uma leitura bem suave e encantadora. Neil Gaiman já havia me ganhado com Sandman, mas seus livros são fantásticos. E se eu já não estivesse lendo esse livro, começaria agora mesmo.
    E mais uma resenha excelente =)

    ResponderExcluir