ÚLTIMAS NOTÍCIAS

25 de setembro de 2012

Resenha: Coração Satânico - William Hjortsberg


Sinopse:
     Nova York, 1955. Entre bairros negros e casarões decadentes circula Harry Angel, detetive particular ao velho estilo. Sua mais apavorante aventura começa com um telefone de Louis Cyphre. O estranho cliente pede um serviço simples: que Angel localize o músico Johnny Favorite, um astro da canção desaparecido anos antes. No rastro de Favorite, Harry Angel mergulha num mar de sombra e pesadelo, onde cada testemunha pode morrer e cada pista se dissolve em sangue. Em meio a rituais de magia negra, a trama cresce em tensão e mistério, até um desfecho imprevisto e chocante. Mas é nos detalhes - que incluem um tórrido caso de amor - que o autor tece uma teia brilhante, repleta de simbolismo e capaz de eletrizar o leitor.


Opinião:
  Coração Satânico de William Hjortsberg é simplesmente um dos melhores romances policiais que já tive o prazer de ler, possui uma história extraordinária e uma narrativa de tirar o fôlego, que cresce tanto em suspense quanto tensão à medida que o enredo se desenrola, com um final dramático e surpreendente.
    Há uma adaptação cinematográfica feita nos anos 80 no mesmo nível do livro com um roteiro perfeito que segue a linha da história sem grandes alterações, porém é aconselhável a ler do livro antes de ver o filme, as revelações do final acabam com a graça da leitura.
   Ao começar a leitura o leitor conhece Harry Angel um detetive típico das histórias policiais: acredita que todos são culpados até provarem a inocência e possui inimizade com policiais além das habituais práticas para obter provas como arrombamentos e ameaças a suspeitos. Porém um diferencial que gostei bastante é que apesar do detetive ser bastante experiente em nenhum momento há aquelas reminiscências chatas sobre crimes anteriores e pensamentos acerca de culpa e autoflagelos emocionais bestas. Harry Angel é demais.
   A história começa quando o misterioso Louis Cyphre contrata os serviços de Angel para saber se um antigo músico, Johnny Favorite, está vivo ou não. Um trabalho aparentemente de rotina e normal que ao ser analisado mais a fundo vai se tornando além de difícil macabro. O detetive encontra pistas que levam a ritos de Candomblé onde animais são sacrificados e até as rituais satânicos com direito a missa negra e sacrifícios.
    William Hjortsberg criou um livro de leitura agradável e estimulante que mistura o gênero policial à grandes doses de suspense e terror. É uma leitura imperdível.

Minha nota: ☠☠☠☠☠☠☠☠☠☠ (10/10 Caveiras) 

2 comentários :

  1. Que legal, já tinha assistido ao filme, mas não sabia que tinha o livro.
    Se o filme já é excelente, com um final inesperado, aposto que livro deve prender mais ainda.
    Au revoir!

    ResponderExcluir
  2. Assisti ao filme, foi bom, mas creio que o livro deva ser muito melhor.

    ResponderExcluir